Filha do fundador da Huawei detida no Canadá. China pede libertação imediata

Wanzhou Meng, de 46 anos, é filha do fundador da Huawei. A mulher foi detida no sábado depois de Washington ter pedido a sua extradição por supostamente ter violado as sanções impostas pelas autoridades norte-americanas contra o Irão.

A Embaixada da China no Canadá divulgou esta quinta-feira um comunicado no qual pede a libertação imediata da diretora financeira da empresa Huawei Technologies que foi detida em Vancouver, a pedido dos Estados Unidos. Wanzhou Meng, de 46 anos, é filha do fundador da Huawei. A mulher foi detida no sábado depois de Washington ter pedido a sua extradição por supostamente ter violado as sanções impostas pelas autoridades norte-americanas contra o Irão.

Os representantes chineses protestaram contra as autoridades norte-americanas e canadianas e exigiram que estas corrigissem o erro imediatamente e devolvessem a liberdade a Wanzhou Meng."Acompanharemos de perto o desenvolvimento desta questão e tomaremos medidas para proteger resolutamente os legítimos direitos e interesses dos cidadãos chineses", pode ler-se no comunicado.

Na declaração também se refere que a China "se opõe com firmeza e protesta com energia" à detenção "que prejudicou gravemente os direitos humanos da vítima".

As autoridades canadianas anunciaram na quarta-feira que detiveram a diretora financeira da chinesa Huawei Technologies, que agora enfrenta uma possível extradição para os Estados Unidos.

O porta-voz do Departamento de Justiça, Ian McLeod, disse que Meng Wanzhou foi detida em Vancouver no sábado.

Meng é também vice-presidente da administração e filha do fundador da empresa, Ren Zhengfei.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.