China diz que não precisa que lhe digam o que fazer na questão da Coreia do Norte

Japão relembrou aos EUA e China as suas responsabilidades face à desnuclearização na Coreia do Norte. Porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros chinês afirma "esforço incansável"

A China recordou hoje os seus "incansáveis" esforços para promover a desnuclearização da península coreana e afirmou que não precisa que ninguém lhe diga o que fazer para resolver a crise nuclear da Coreia do Norte.

"O Japão pediu aos Estados Unidos e à China que desempenhem um papel mais importante na península da Coreia. Creio que a postura da China é clara e firme. Não necessitamos que ninguém nos diga o que temos de fazer", afirmou a porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros, Hua Chunying, em conferência de imprensa.

Hua afirmou que a China fez "esforços incansáveis para promover a desnuclearização e manter a paz e estabilidade na península da Coreia" e tratou de resolver a crise de forma pacífica.

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, abordou a crescente ameaça nuclear norte-coreana durante uma reunião hoje com o homólogo japonês, Shinzo Abe, durante o seu primeiro périplo pela Ásia.

Trump chega a Pequim na quarta-feira e, no dia seguinte, reúne-se com o Presidente chinês, Xi Jinping.

"Esperamos que, nas circunstâncias atuais, as palavras e ações de todos possam ajudar a reduzir as tensões e restabelecer a confiança mútua e conseguir que a questão nuclear da Coreia do Norte volte ao caminho correto do diálogo e negociações", afirmou Hua Chunying.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.