China anuncia maior estação de comboios de alta velocidade do mundo junto à Grande Muralha

A estação vai ter uma superfície equivalente a cinco campos de futebol

A China vai construir junto a uma das mais conhecidas secções da Grande Muralha a maior estação de comboios de alta velocidade do mundo, com 36.000 metros quadrados, informou hoje o jornal oficial China Daily.

Segundo Chen Bin, diretor do projeto, a estação que será construída em Badaling, a cerca de 50 quilómetros de Pequim, e onde fica a secção mais visitada da Grande Muralha, vai ter uma superfície equivalente a cinco campos de futebol.

A estação, construída 102 metros abaixo da superfície, será também a mais profunda do mundo, escreve o China Daily.

Além de facilitar o acesso a um dos monumentos mais emblemáticos da China, a estação fará parte da linha de alta velocidade que vai ligar Pequim a Zhangjiakou, tendo em vista os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022.

As provas de gelo vão realizar-se na capital chinesa, enquanto Zhangjiaou acolherá a competição de esqui de fundo.

Segundo o China Daily, a construção da estação de Badaling vai requerer o uso de técnicas avançadas, de forma a evitar que as obras danifiquem a Grande Muralha, monumento classificado como Património Mundial pela UNESCO (o organismo das Nações Unidas para a Educação e Cultura).

A rede chinesa de alta velocidade ferroviária atingiu este ano os 19.000 quilómetros - mais do que todos os outros países juntos.

A primeira linha - um troço de 120 quilómetros entre Pequim e Tianjin - começou a funcionar em 2008, quando a capital chinesa organizou os Jogos Olímpicos.

O Governo chinês prevê que, em menos de dez anos, a rede de alta velocidade do país atinja os 38.000 quilómetros - quase o equivalente à circunferência da Terra, medida pela linha do Equador.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.