China afirma estar em contacto com EUA face a possível cimeira entre Trump e Xi

Encontro entre os líderes dos dois países deverá realizar-se em finais do próximo mês de novembro

A China está em contacto com os EUA face a informações de que o Presidente norte-americano, Donald Trump, e o homólogo chinês, Xi Jinping, se reúnem no próximo mês para abordar as disputas comerciais, disse fonte governamental.

Lu Kang, porta-voz do ministério chinês dos Negócios Estrangeiros, não avançou com mais detalhes, mas admitiu que leu as notícias e que Pequim mantém "comunicação e diálogo e encontros a todos os níveis" com os EUA.

Os jornais norte-americanos Wall Street Journal e Washington Post citam fontes da Casa Branca, que afirmam que Trump concordou em reunir-se com Xi, durante a cimeira do G20, agendada para finais de novembro, em Buenos Aires.

Trump impôs taxas alfandegárias sobre 250 mil milhões de dólares de bens chineses, visando contrariar as ambições de Pequim no setor tecnológico.

Em causa está a política da China para o setor tecnológico, nomeadamente o plano "Made in China 2025", que visa transformar o país numa potência tecnológica, com capacidades em setores de alto valor agregado, como inteligência artificial, energia renovável, robótica e carros elétricos.

Os EUA consideraram que aquele plano, impulsionado pelo Estado chinês, viola os compromissos da China em abrir o seu mercado, nomeadamente ao forçar empresas estrangeiras a transferirem tecnologia e ao atribuir subsídios às empresas domésticas, enquanto as protege da competição externa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.