Cheias no sul de França já obrigaram ao resgate de 1 600 campistas

Chuvas torrenciais fizeram transbordar rios e ribeiros e obrigaram a socorrer 1600 pessoas no sul de França

Centenas de socorristas apoiados por helicópteros já resgataram 1 600 pessoas em acampamentos no sul de França, surpreendidas por cheias rápidas provocadas por chuvas torrenciais que fizeram transbordar rios e ribeiros, adiantou o ministro do Interior francês.

A região mais afetada foi a de Gard, onde 750 pessoas foram resgatadas, 119 das quais crianças, muitas delas alemãs, que foram retiradas do seu acampamento em Saint-Julien-de-Peyrolas, disse o ministro do Interior, Gerard Collomb.

As equipas de busca, que incluem mergulhadores, procuraram um homem alemão de 70 anos dado como desaparecido, que terá sido arrastado pela água quando se encontrava dentro da sua carrinha, ainda que não haja confirmação oficial, segundo as autoridades, que se encontrava dentro do veículo.

Quatro crianças alemãs foram hospitalizadas em Bagnols-sur-Ceze por hipotermia, encontrando-se entre o total de 10 pessoas hospitalizadas com ferimentos ligeiros, adiantou a polícia militar francesa (Gard Gendarmerie) na sua página na rede social Facebook, citada pela Associated Press (AP).

Mais de 400 bombeiros e 'gendarmes', muitos enviados de outras regiões, ajudaram nas evacuações, recorrendo a helicópteros para localizar os acampamentos e ocasionalmente nos resgates.

Várias estradas na região permaneciam cortadas ao início da noite.

As autoridades adiantaram que a água levaria algum tempo a recuar, apelando às pessoas para que se mantivessem vigilantes.

Ler mais

Premium

Anselmo Borges

Francisco ​​​​​​​em Pequim?

1. A perseguição aos cristãos foi particularmente feroz durante a Revolução Cultural no tempo de Mao. Mas a situação está a mudar de modo rápido e surpreendente. Desde 1976, com a morte de Mao, as igrejas começaram a reabrir e há quem pense que a China poderá tornar-se mais rapidamente do que se julgava não só a primeira potência económica mundial mas também o país com maior número de cristãos. "Segundo os meus cálculos, a China está destinada a tornar-se muito rapidamente o maior país cristão do mundo", disse Fenggang Yang, professor na Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) e autor do livro Religion in China. Survival and Revival under Communist Rule (Religião na China. Sobrevivência e Renascimento sob o Regime Comunista). Isso "vai acontecer em menos de uma geração. Não há muitas pessoas preparadas para esta mudança assombrosa".