Chuvas torrenciais causam o caos em Joanesburgo

Pelo menos 80 pessoas estão presas na autoestrada, após a água ter deixado vários carros submersos

Pelo menos uma pessoa morreu e várias ficaram feridas devido às cheias que atingiram Joanesburgo, África do Sul, esta quarta-feira. Há pelo menos 80 veículos presos nas autoestradas nacionais N2 e N3 e as pessoas foram obrigadas a sair dos carros para sobreviverem.

As autoridades tentam ajudar os motoristas que não conseguiram sair a tempo dos veículos, enquanto são partilhadas imagens nas redes sociais de carros submersos e a flutuar na água

,

"Há um grande número de carros, entre 80 e 100, presos na autoestrada", afirmam as autoridades sul-africanas, segundo o jornal Eyewitness News. "Vários serviços estão no local e outros a caminho para prestar assistência aos feridos e pessoas presas" nos carros.

As chuvas torrenciais que caíram na tarde desta quarta-feira causaram o caos na maior cidade da África do Sul.

As cheias afetaram também o aeroporto internacional de Joanesburgo O.R. Tambo e, segundo o jornal Times live, parte do teto do edifício colapsou. A água chegou ao parque de estacionamento e vários voos foram adiados devido ao mau tempo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.