Chegou a hora do discurso da união para Donald Trump

Confirmado pelos delegados, o candidato republicano às presidenciais aposta nos ataques a Hillary como cimento do partido.

Quando, a 16 de junho de 2015, Donald Trump chegou ao resplandecente lóbi da sua Trump Tower, na Quinta Avenida de Nova Iorque, e anunciou que ia "tornar a América grande outra vez" quase ninguém o levou a sério. Uns viam nesta candidatura às presidenciais uma manobra de marketing, outros, como o Huffington Post, escreviam "Deus nos acuda" e até a conservadora Fox News afirmava que "a corrida acabou de ficar mais divertida". Passados 13 meses e com a nomeação no bolso - depois de na madrugada de ontem ter obtido a maioria dos votos dos delegados à convenção republicana que hoje termina em Cleveland, no Ohio -, hoje, o milionário feito candidato sobe ao palco para um discurso que se adivinha apoteótico. Mas precisa de unir um partido dividido se quer derrotar Hillary Clinton a 8 de novembro.

Para trás ficaram 16 rivais republicanos, muitas polémicas e críticas, algumas delas internas. Sem a presença em Cleveland de figuras do partido como os ex-candidatos presidenciais John McCain e Mitt Romney ou os ex-presidentes George H. W. e George W. Bush - estes últimos já garantiram mesmo que não irão votar em Trump em novembro -, hoje é mesmo assim hora de festa. Apostado em fazer dos ataques a Hillary Clinton um dos poucos cimentos que parecem capazes de unir todos os republicanos, esperam-se muitos ataques à candidata democrata quando o milionário subir ao palco, entre mais de 125 mil balões. No segundo dia de convenção, a audiência por várias vezes respondeu com gritos de "Prendam-na! Prendam-na!" aos ataques contra a ex-primeira-dama.

O encerramento da convenção fica a cargo de Ivanka Trump, a adorada filha de Trump que viu toda a progenitura subir ao palco da convenção para discursar, à exceção do filho mais novo, Barron, de 10 anos. Um dos momentos que mais deram que falar foi a intervenção de Melania Trump, a terceira mulher do magnata, acusada de ter plagiado o discurso de Michelle Obama em 2008. Ontem, enquanto Meredith McIver assumia a responsabilidade por ter escrito o discurso e pedia a demissão da equipa de Trump, o próprio garantia no Twitter ser "uma boa notícia que o discurso de Melania tenha atraído mais atenções do que qualquer outro na história da política".

Ontem o principal discurso da noite (madrugada de hoje em Lisboa) estava a cargo de Mike Pence, o governador do Indiana que Trump escolheu para seu candidato a vice--presidente. As duas únicas aparições conjuntas dos homens que constituem o ticket republicano foram marcadas por algum embaraço, como quando Trump afastou a pergunta sobre o apoio de Pence à invasão do Iraque em 2003 com um "Não quero saber!", no programa 60 Minutes da CBS, mas recusou desvalorizar da mesma forma o voto no mesmo sentido de Hillary.

Mas um dos momentos mais aguardados do terceiro dia da convenção era a intervenção de Ted Cruz. O senador do Texas recusou apoiar Trump desde que suspendeu a campanha e ficou em segundo lugar na votação dos delegados - com 475 votos contra 1725 para Trump. Na segunda-feira, Cruz terá liderado uma revolta dos anti-Trump para tentar travar a nomeação do milionário. Mas acabou derrotado.

Criticado tanto pela ala moderada do partido por querer expulsar 11 milhões de imigrantes ilegais e querer banir os muçulmanos de entrarem nos EUA como pela ala mais conservadora, desconfiada das suas posições sociais liberais, Trump é também visto por alguns líderes mundiais como uma ameaça. Numa entrevista à Reuters, o chefe da diplomacia alemã, Frank-Walter Steinmeier, garantiu que o milionário, com a sua "política do medo e do isolamento", põe em causa a segurança dos EUA e do mundo.

Um dos objetivos da convenção é limpar a imagem de Trump, apresentando-o como um empresário de sucesso capaz de criar empregos para os americanos. E como um líder duro em tempos difíceis para a América. No seu discurso, o senador do Alabama Jeff Sessions chamou-lhe "um guerreiro e um vencedor". Menos convicto pareceu Paul Ryan. O presidente da Câmara dos Representantes, que quando em maio Trump obteve os delegados necessários à nomeação disse não estar "preparado" para o apoiar, afirmou que com o milionário na presidência a América tem "uma hipótese" de ter melhores resultados do que com Hillary. E acrescentou um fatalista: "A democracia é uma série de escolhas. Nós republicanos fizemos a nossa."

Purga na administração pública

No seu reality show The Apprentice, Donald Trump era conhecido por dispensar os concorrentes com um sonoro "Está despedido!". Se chegar à presidência, o milionário parece disposto a fazer o mesmo à maioria dos funcionários públicos nomeado por Barack Obama. A ideia foi apresentada na terça-feira à noite em Cleveland por Chris Christie, com o governador de New Jersey a explicar que um presidente Trump pedirá ao Congresso para aprovar legislação que facilite os despedimentos na função pública.

A proposta terá sido comunicada a um grupo de doadores numa reunião à porta fechada, mas a Reuters teve acesso às gravações do encontro. A agência noticiosa garante que a equipa de Trump está já a elaborar uma lista de funcionários do governo federal que serão afastados a partir de janeiro, quando toma posse o novo presidente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.