Chegou a hora da verdade: Soraya e Cospedal vão disputar sucessão de Rajoy

Soraya Sáenz de Santamaría e María Dolores de Cospedal anunciaram esta terça-feira que são candidatas à sucessão de Mariano Rajoy na liderança do Partido Popular (PP)

O dia que todos sabiam que ia chegar, chegou, esta terça-feira. Tidas como rivais de longa data, Soraya Sáenz de Santamaría e María Dolores de Cospedal, respetivamente, ex-vice-primeira-ministra de Espanha e ex-ministra da Defesa, anunciaram que estão na corrida para suceder ao ex-primeiro-ministro Mariano Rajoy na liderança do PP.

Soraya, de 47 anos, anunciou a sua candidatura através do Twitter e falou depois à imprensa à porta do Congresso dos Deputados. "Acredito no Partido Popular", disse ao apresentar "um projeto aberto e positivo". Assumindo-se "como uma militante mais", Santamaría assegurou querer "servir Espanha e os espanhóis". Numa entrevista à Telecinco negou que entre ela e Cospedal haja "uma guerra". O que existe, disse, é uma "sã concorrência democrática".

Cospedal, de 52 anos, comunicou as suas intenções numa reunião da direção do PP de Castela-a-Mancha, organização da qual é presidente regional. "Apresento-me", disse, "para liderar e servir o PP, vocês e os espanhóis, para recuperar a unidade do centro-direita espanhol, para ganhar, ganhar e ganhar. Quero ser a primeira mulher a presidir o PP e quero ser a primeira mulher a liderar um governo em Espanha".

A ex-vice-primeira-ministra e a ex-ministra da Defesa de Rajoy são ambas licenciadas em Direito e seguiram ambas carreira pública como advogadas do Estado. Soraya estudou na Universidade de Valladolid, de onde é natural, na comunidade de Castela-e-Leão. Foi na carreira pública que Soraya conheceu o marido, Iván de la Rosa, filho de pai português e natural da comunidade da Extremadura. Casaram pelo civil no Brasil em 2005 e seis anos depois tiveram um filho.

Na altura o PP encontrava-se em campanha eleitoral e Soraya voltou ao trabalho apenas dez dias depois de dar à luz. Foi o marido que cuidou do pequeno Ivan nos primeiros tempos de vida. O partido venceu as eleições e Soraya tornou-se vice-primeira-ministra. Cargo que ocupou até agora. O casal vive no bairro Fuente del Berro em Madrid.

Na capital espanhola formou-se Cospedal pela Universidade católica de San Pablo CEU. Em 1995 casou com o aristocrata José Félix Valdivieso-González y Bravo de la Laguna e separou-se três anos depois, conseguindo que a Igreja anulasse o matrimónio. Voltou a casar de novo, em 2009, com Ignacio López del Hierro, dois anos depois de ter sido mãe solteira. Ricardo nasceu fruto de inseminação artificial. "Fi-lo de forma consciente, depois de esperar quatro anos por uma adoção que nunca aconteceu e depois de me submeter a fecundação in vitro. Queria ser mãe e não tinha companheiro", explicou em entrevista à revista Yo Donna.

O contador da rivalidade entre Soraya e Cospedal começou a contar há dez anos quando Rajoy nomeou a primeira porta-voz do grupo parlamentar do PP e a segunda secretária-geral do partido. Volta e meia os media espanhóis gostam de noticiar episódios que ilustram essa rivalidade. Foi o caso do suposto veto à participação de Soraya num almoço do PP em Sevilha em abril, supostamente por parte de Cospedal.

Os militantes do PP vão escolher a 5 de julho, em eleições internas, o seu novo líder e o partido realiza a 20 e 21 de julho um congresso extraordinário para eleger a nova direção e confirmar o sucessor de Rajoy.

Até ao momento, apresentaram também a sua candidatura o vice-secretário do PP, Pablo Casado; o ex-ministro, José Manuel García Margallo; o deputado José Ramón García Hernández; e o ex-líder da juventude do PP (Novas Gerações), José Luis Bayo.

O outro candidato considerado com mais possibilidade de liderar o PP (Partido Popular), o atual presidente da Junta da Galiza, Alberto Núñez Feijoó, desistiu na segunda-feira de se apresentar à sucessão de Rajoy.

As candidaturas estão abertas até esta quarta-feira, às 14.00, menos uma hora em Lisboa. Especula-se sobre a possibilidade de Ana Pastor poder também apresentar-se.

Este foi afastado do poder depois de o líder da oposição socialista, Pedro Sánchez, ter conseguido reunir apoios suficientes para fazer aprovar uma moção de censura ao governo do PP. Sánchez é agora primeiro-ministro de um governo com maioria de ministras mulheres, europeísta, mas minoritário.

Sánchez justificou, na altura, a moção de censura com a sentença do caso Gürtel, um escândalo de corrupção que envolveu empresários e figuras ligadas ao PP. Além das penas de prisão pesadas aplicadas a figuras como o ex-tesoureiro do PP, Luis Bárcenas, também o próprio partido foi condenado a pagar uma multa de 245 mil euros.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.