Chefe dos serviços secretos alemães suspeito de informar extrema-direita

Hans-Georg Maassen negou qualquer ilegalidade

O chefe dos serviços de informações internas da Alemanha, Hans-Georg Maassen, voltou hoje a ser apontado como suspeito de transmitir informações confidenciais ao partido de extrema-direita Alternativa para a Alemanha (AfD), segundo notícias da televisão pública.

A televisão cita o deputado da AfD Stephan Brandner, que disse ter-se encontrado com Maassen a 13 de junho e ter recebido dele informações classificadas sobre suspeitos de radicalismo islâmico e sobre o orçamento dos serviços de informações.

"Discutimos vários números que constavam" do relatório de 2017 da agência, antes de ser publicado e quando as informações ainda estavam classificadas como confidenciais, disse Brandner.

Maassen negou qualquer ilegalidade, afirmando, num comunicado: "Rejeito firmemente as acusações [...] O artigo [da televisão pública] sugere que informações ou documentos foram transmitidos sem fundamento jurídico, o que não é de todo o caso".

Maassen tem estado envolto em polémica nas últimas semanas por suspeita de ligações à extrema-direita.

Num livro publicado no princípio de agosto, a antiga militante da AfD Franziska Schreiber afirma que ele se reuniu várias vezes com dirigentes do partido, a quem deu conselhos para evitarem ser colocados sob vigilância dos seus serviços.

O líder da AfD, Alexander Gauland, confirmou ter-se encontrado com Maassen para falar de "questões de segurança".

Hans-Georg Maassen, oficialmente presidente do Gabinete Federal para a Proteção da Constituição (BfV), tem sido também criticado por ter contrariado afirmações da chanceler alemã, Angela Merkel, em que esta criticou a "caça aos estrangeiros" promovida por simpatizantes da extrema-direita no leste do país.

Merkel falava dos incidentes em Chemnitz, na Saxónia, onde no final de agosto o assassínio de um alemão deu origem a manifestações racistas e xenófobas e a distúrbios entre simpatizantes da extrema-direita e contramanifestantes.

Maassen negou que tivesse havido qualquer "caça a estrangeiros" e questionou a autenticidade de um vídeo divulgado pelos 'media'.

A veracidade do vídeo em causa acabou por ser confirmada e Maassen foi chamado a duas comissões parlamentares para se explicar, audições que decorreram à porta fechada.

As polémicas em torno do chefe dos serviços secretos estão a criar divisões na coligação governamental, com o ministro do Interior, Horst Seehofer, da União Social-Cristã (CSU), a renovar a confiança em Maassen, por um lado, e o Partido Social-Democrata (SPD) a exigir a sua demissão, por outro.

A líder do grupo parlamentar social-democrata, Eva Hoegl, sustentou no parlamento que os serviços de informações devem merecer "a confiança sem restrições" dos alemães e que, se há "a mais pequena dúvida, há um problema".

O secretário-geral do SPD, Lars Klinbeil, acentuou a pressão escrevendo mais tarde no Twitter que "Maassen tem de sair. Merkel tem de agir agora".

No partido de Merkel, a União Democrata-Cristã (CDU) também houve críticas a Maassen, mas a sua demissão não foi pedida.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.