Chefe do Pentágono faz visita surpresa ao Afeganistão

O chefe do Pentágono iniciou esta segunda-feira uma visita surpresa ao Afeganistão para se encontrar com comandantes norte-americanos e líderes afegãos, quando estão a ser conduzidas negociações de paz com o movimento grupo extremista islâmico Talibã.

O recém-nomeado secretário da Defesa interino, Pat Shanahan, disse que não tem ordens para reduzir a presença das tropas norte-americanas, embora essa matéria esteja no topo da lista de exigências dos talibãs nas negociações exploratórias de paz, indicaram diversos responsáveis envolvidos no processo.

Shanahan disse ser encorajador que o Governo do Presidente Donald Trump esteja a explorar todas as possibilidades para acabar com uma guerra que dura há 17 anos, a mais longa da história norte-americana.

Contudo, o responsável sublinhou que os termos de paz devem ser decididos pelos afegãos. Até agora, os talibãs recusaram-se a negociar com o Presidente afegão, Ashraf Ghani, cuja presidência é considerada ilegítima pelo grupo extremista, um impasse que Washington está a tentar ultrapassar.

"Os afegãos têm que decidir o que é o Afeganistão. Isto não é sobre os EUA, é sobre o Afeganistão", disse Shanahan aos jornalistas.

Na sexta-feira, o enviado especial da Administração norte-americana para as negociações de paz no Afeganistão, Zalmay Khalilzad, disse esperar que seja alcançado, embora as negociações estejam numa fase inicial, um acordo até julho, quando estão agendadas eleições presidenciais naquele país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.