Chefe de gabinete de Trump sai no final do ano. Só resta um terço da equipa original

Presidente norte-americano anunciou a saída de John Kelly e disse que indicará nos próximos dias quem será o seu substituto.

O presidente norte-americano, Donald Trump, revelou que o seu chefe de gabinete, o antigo general John Kelly, vai deixar o cargo no final do ano. O nome do seu substituto será conhecido nos próximos dias, acrescentou.

"O John Kelly vai-se embora. Não sei se podemos dizer que se 'reforma'. Mas ele é um tipo excelente. John Kelly vai sair no final do ano. Vamos anunciar quem vai ficar com o cargo dele dentro de um ou dois dias. Ele está comigo há quase dois anos", disse Trump aos jornalistas, à saída da Casa Branca para ir assistir a um jogo de futebol americano entre as equipas do Exército e da Marinha.

A saída de Kelly era algo que já se falava, tendo em conta a campanha para a reeleição de 2020 e que, no próximo ano, o presidente irá enfrentar um Congresso onde os democratas terão a maioria.

Além disso, havia rumores de que a relação entre Trump e Kelly (que é chefe de gabinete desde julho de 2017, tendo antes sido secretário de Segurança Nacional) já não seria a melhor. No início do ano, Kelly foi forçado a negar ter chamado "idiota" ao presidente, depois de ter sido citado pelo jornalista Bob Woodward no seu livro "Medo".

No mês passado, a Reuters citou uma fonte dizendo que Nick Ayers, chefe de gabinete do vice-presidente Mike Pence, seria um possível substituto de Kelly.

Trump já só tem um terço da equipa original.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.