Chefe de gabinete de Trump sai no final do ano. Só resta um terço da equipa original

Presidente norte-americano anunciou a saída de John Kelly e disse que indicará nos próximos dias quem será o seu substituto.

O presidente norte-americano, Donald Trump, revelou que o seu chefe de gabinete, o antigo general John Kelly, vai deixar o cargo no final do ano. O nome do seu substituto será conhecido nos próximos dias, acrescentou.

"O John Kelly vai-se embora. Não sei se podemos dizer que se 'reforma'. Mas ele é um tipo excelente. John Kelly vai sair no final do ano. Vamos anunciar quem vai ficar com o cargo dele dentro de um ou dois dias. Ele está comigo há quase dois anos", disse Trump aos jornalistas, à saída da Casa Branca para ir assistir a um jogo de futebol americano entre as equipas do Exército e da Marinha.

A saída de Kelly era algo que já se falava, tendo em conta a campanha para a reeleição de 2020 e que, no próximo ano, o presidente irá enfrentar um Congresso onde os democratas terão a maioria.

Além disso, havia rumores de que a relação entre Trump e Kelly (que é chefe de gabinete desde julho de 2017, tendo antes sido secretário de Segurança Nacional) já não seria a melhor. No início do ano, Kelly foi forçado a negar ter chamado "idiota" ao presidente, depois de ter sido citado pelo jornalista Bob Woodward no seu livro "Medo".

No mês passado, a Reuters citou uma fonte dizendo que Nick Ayers, chefe de gabinete do vice-presidente Mike Pence, seria um possível substituto de Kelly.

Trump já só tem um terço da equipa original.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

As culpas de Sánchez no crescimento do Vox

resultado eleitoral do Vox, um partido por muitos classificado como de extrema-direita, foi amplamente noticiado em Portugal: de repente, na Andaluzia, a mais socialista das comunidades autónomas, apareceu meio milhão de fascistas. É normal o destaque dado aos resultados dessas eleições, até pelo que têm de inédito. Pela primeira vez a esquerda perdeu a maioria e os socialistas não formarão governo. Nem quando surgiu o escândalo ERE, envolvendo socialistas em corrupção, isso sucedera.