Chávez deu sete milhões ao Podemos para criar "forças bolivarianas"

Partido sempre negou financiamento ilegal. Jornal ABC revela documento que apresenta como a "prova definitiva" de que o Podemos nasceu como extensão do chavismo

O Governo venezuelano de Hugo Chávez pagou mais de sete milhões de euros à fundação que daria origem ao Podemos com o objetivo de "propiciar mudanças políticas em Espanha mais alinhadas com o regime bolivariano", noticia hoje o jornal ABC.

As verbas em causa - pagas entre 2003 e 2011 - constam de um documento assinado pelo ministro das Finanças venezuelano da altura, Rafael Isea, e pelo próprio Hugo Chávez. O documento foi hoje publicado pelo diário espanhol ABC, que o apresenta como "a prova definitiva em como o partido Podemos [de Pablo Iglesias] nasceu como uma extensão do Chavismo em Espanha".

No parágrafo 63 do relatório, o ministro explicita que os dinheiros pagos à fundação Centro de Estudos Políticos e Sociais (CEPS) - o berço do Podemos e à qual pertenceu toda a cúpula do partido - visam pagar não só as assessorias políticas feitas na Venezuela, como também tem um objetivo maior.

«Adicionalmente, segundo o acordado no conselho de ministros, o apoio económico que significará para a Fundação CEPS esta contratação permitirá estreitar laços e compromissos com reconhecidos representantes das escolas de pensamento de esquerda, fundamentalmente anticapitalistas, que em Espanha podem criar consensos de forças políticas e movimentos sociais, propiciando nesse país mudanças políticas ainda mais alinhadas com o Governo bolivariano", indica o relatório.

O documento especifica que a fundação CEPS - cujas assessorias serviram, segundo o ministro venezuelano, para "promover os conceitos de emancipação popular, consciência anticapitalista e controlo social" - recebeu 2.687.390 euros entre 2003 e 2007. O relatório - datado de 28 de maio de 2008 - também serve para pedir verbas adicionais a Chávez para a CEPS: 1.650.700 euros para o exercício de 2008 e outros 2.830.000 euros para o período 2009-2011.

O total é de 7.168.090 euros, um valor muito superior ao que a própria CEPS admite ter cobrado ao regime da Venezuela, cerca de 3,7 millones de euros. A CEPS terá trabalhado para o regime chavista até 2012, quando Pablo Iglesias já estava em processo de formação do Podemos, registado oficialmente como partido em janeiro de 2014.

Na fundação CEPS trabalharam não só o líder do Podemos, Pablo Iglesias, como o seu número dois, Íñigo Errejón, e as suas principais figuras: a deputada Carolina Bescansa e o antigo ideólogo e número três da formação, Juan Carlos Monedero.

O documento hoje mostrado pelo ABC está já na posse da Unidade de Delinquência Económica e Fiscal (UDEF) da Polícia Nacional espanhola, que já estava anteriormente a investigar o alegado financiamento ilegal do Podemos. Pela lei espanhola, é ilegal um partido político ser financiado por um regime externo.

Sobre Pablo Iglesias, recai ainda uma suspeita de que possa ter sido financiado pelo regime iraniano, já que um canal de televisão afiliado ao regime de Teerão efetuou vários pagamentos ao líder do Podemos por comentários políticos.

Os dirigentes do Podemos sempre negaram a existência de financiamento ilegal do seu partido, instando a que as autoridades investiguem a fundo as suas contas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)