Chapéu de Napoleão leiloado por 280 mil euros

O bicórnio foi usado pelo imperador francês quando perdeu a batalha de Waterloo em 1815.

Ao longo dos anos foram muitos os colecionadores que se interessaram pelo chapéu que Napoleão usou na batalha de Waterloo e que tentaram adquiri-lo. Esta terça-feira o bicórnio foi comprado em leilão por 280 mil euros.

O imperador francês era famoso pelos bicórnios que usava, assim chamados porque tinham duas pontas. Ao longo da vida terá usado mais de 120, dos quais 19 chegaram até aos dias de hoje. Comprado por um privado em 1986, o bicórnio agora leiloado pela De Baecque em Lyon terá sido adquirido colecionador francês de peças históricas.

Os objetos pessoais de Napoleão que chegaram até hoje têm atingido valores altos em leilão. Em 2014 um chapéu semelhante ao que foi agora comprado, propriedade até então da família real do Mónaco, atingiu os 1,9 milhões de euros. Este está em pior estado de conservação, daí o valor ser menor.

Quem era Napoleão?

Nascido na Córsega em 1769, ganhou destaque no exército francês. Chegado ao poder em 1799 através de um golpe, em 1804 proclamou-se imperador. Declarou guerra às grandes potências europeias e conquistou grande parte do continente, até à batalha final, em Waterloo, há 203 anos.

O que aconteceu em Waterloo?

A 18 de junho de 1815, Napoleão chegou a Waterloo, na Bélgica, à frente de 72 mil homens. Do outro lado, o duque de Wellington comandava as tropas britânicas, apoiadas pelos prussianos. Napoleão decidiu esperar pelo meio dia para lançar o ataque, deixando o solo secar. Mas a estratégia não resultou e o francês acabou derrotado.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.