Cerca de 75% dos russos pensa votar em Putin nas presidenciais

As eleições estão agendadas para o dia 18 de março de 2018

Cerca 75% dos russos que pensam participar nas eleições presidenciais pretendem votar no atual chefe de Estado, Vladimir Putin, revela uma sondagem hoje divulgada pelo prestigiado centro Levada.

O primeiro estudo de opinião publicado após o chefe do Kremlin ter anunciado há uma semana a sua candidatura ao escrutínio presidencial de 18 de março de 2018 -- data escolhida para coincidir com o quarto aniversário da anexação da Crimeia --, indica que 58% dos russos com direito de voto pretendem participar na eleição.

O estudo revela ainda que 20% dos inquiridos ainda não tomou uma decisão, enquanto 10% asseguraram que não vão votar. No entanto, 61% dos russos apoiam o atual chefe de Estado, independentemente da intenção de participar, ou de não comparecer, no ato eleitoral de março.

Recentes sondagens do Levada assinalaram que Putin garante uma popularidade superior a 80% entre a população do país.

A grande distância nas intenções de voto surgem o candidato ultranacionalista Vladimir Vladimir Zhirinovsky (10%), o comunista Gennady Zyuganov (7%) e o social-democrata Sergey Mironov.

A sondagem não inclui o líder da oposição Alexei Navalny, popular entre a oposição liberal e entre os jovens, mas impossibilitado de concorrer por ter sido condenado num caso de corrupção.

Em 18 de março de 2018, Putin vai apresentar-se pela quarta vez a eleições presidenciais, após as eleições de 2000 (que venceu com 53,4% dos votos expressos), 2004 (71.9%) e 2012 (63.6%).

No interregno, motivado pela Constituição que apenas admite dois mandados presidenciais consecutivos, ocupou o cargo de primeiro-ministro entre 2008 e 2012, e deverá assegurar a sua permanência no poder durante quase um quarto de século caso seja reeleito em março para o Kremlin.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.