700 turistas aguardam resgate nas ilhas Gili após sismo na Indonésia

Este é o segundo sismo no espaço de uma semana na ilha indonésia de Lombok. Autoridades elevaram número de mortos para 91, mas já admitiram que o balanço pode aumentar à medida que decorrem as operações de resgate

Cerca de 700 turistas indonésios e estrangeiros aguardam resgate nas pequenas ilhas Gili, perto de Lombok, no dia seguinte a um sismo que fez pelo menos 91 mortos e centenas de feridos, disseram hoje as autoridades.

200 turistas "indonésios e estrangeiros" já deixaram as três ilhas de Gili, e "ainda há cerca de 700 pessoas à espera de serem retiradas", disse um porta-voz da Agência Nacional de Gestão de Desastres.

As autoridades indonésias elevaram hoje para 91 o número de mortos na sequência do forte sismo que atingiu a ilha de Lombok, no domingo, e admitiram que o balanço pode aumentar à medida que decorrem as operações de resgate.

Sutopo Purwo Nugroho informou que a maioria das mortes foram causadas pelo desabamento de habitações, referindo ainda existirem centenas de feridos e danos em milhares de casas.

O sismo de magnitude 7, com o epicentro a dez mil metros de profundidade, ocorreu uma semana após um outro abalo, também na ilha turística de Lombok, que provocou 17 mortos e mais de 300 feridos.

Diversas fotos divulgadas nas redes sociais revelam escombros nas ruas de Lombok provocados pelo sismo que suscitou também cenas de pânico na ilha vizinha de Bali, no aeroporto internacional.

"Houve tsunamis que entraram por terra com alturas de 10 a 13 centímetros. A altura máxima calculada é de meio metro", já tinha assinalado em comunicado o porta-voz da agência.

O Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS), que regista a atividade sísmica em todo o mundo, localizou o terramoto a 2,4 quilómetros a leste de Loloan, uma localidade no norte de Lombok.

O sismo ocorreu às 19:46 locais (12:46 em Lisboa) de hoje e foi seguido por várias réplicas.

A ilha de Lombok, dominada pelo vulcão Rinjani, encontra-se a leste de Bali, o principal destino turístico da Indonésia.

A 29 de julho, 16 pessoas morreram e 17 pessoas morreram e 355 ficaram feridas na sequência de um sismo de magnitude 6,4 e posteriores réplicas em Lombok, que danificou cerca de 1.500 edifícios.

A Indonésia está situada no designado "Anel de Fogo do Pacífico", uma região de grande atividade sísmica e vulcânica que regista cerca de 7.000 terramotos por ano, na maioria moderados.

Em 2004, um sismo na costa norte da ilha indonésia de Sumatra originou um tsunami que provocou pelo menos 280.000 mortos em 12 países banhados pelo Índico, a maioria na Indonésia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.