700 turistas aguardam resgate nas ilhas Gili após sismo na Indonésia

Este é o segundo sismo no espaço de uma semana na ilha indonésia de Lombok. Autoridades elevaram número de mortos para 91, mas já admitiram que o balanço pode aumentar à medida que decorrem as operações de resgate

Cerca de 700 turistas indonésios e estrangeiros aguardam resgate nas pequenas ilhas Gili, perto de Lombok, no dia seguinte a um sismo que fez pelo menos 91 mortos e centenas de feridos, disseram hoje as autoridades.

200 turistas "indonésios e estrangeiros" já deixaram as três ilhas de Gili, e "ainda há cerca de 700 pessoas à espera de serem retiradas", disse um porta-voz da Agência Nacional de Gestão de Desastres.

As autoridades indonésias elevaram hoje para 91 o número de mortos na sequência do forte sismo que atingiu a ilha de Lombok, no domingo, e admitiram que o balanço pode aumentar à medida que decorrem as operações de resgate.

Sutopo Purwo Nugroho informou que a maioria das mortes foram causadas pelo desabamento de habitações, referindo ainda existirem centenas de feridos e danos em milhares de casas.

O sismo de magnitude 7, com o epicentro a dez mil metros de profundidade, ocorreu uma semana após um outro abalo, também na ilha turística de Lombok, que provocou 17 mortos e mais de 300 feridos.

Diversas fotos divulgadas nas redes sociais revelam escombros nas ruas de Lombok provocados pelo sismo que suscitou também cenas de pânico na ilha vizinha de Bali, no aeroporto internacional.

"Houve tsunamis que entraram por terra com alturas de 10 a 13 centímetros. A altura máxima calculada é de meio metro", já tinha assinalado em comunicado o porta-voz da agência.

O Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS), que regista a atividade sísmica em todo o mundo, localizou o terramoto a 2,4 quilómetros a leste de Loloan, uma localidade no norte de Lombok.

O sismo ocorreu às 19:46 locais (12:46 em Lisboa) de hoje e foi seguido por várias réplicas.

A ilha de Lombok, dominada pelo vulcão Rinjani, encontra-se a leste de Bali, o principal destino turístico da Indonésia.

A 29 de julho, 16 pessoas morreram e 17 pessoas morreram e 355 ficaram feridas na sequência de um sismo de magnitude 6,4 e posteriores réplicas em Lombok, que danificou cerca de 1.500 edifícios.

A Indonésia está situada no designado "Anel de Fogo do Pacífico", uma região de grande atividade sísmica e vulcânica que regista cerca de 7.000 terramotos por ano, na maioria moderados.

Em 2004, um sismo na costa norte da ilha indonésia de Sumatra originou um tsunami que provocou pelo menos 280.000 mortos em 12 países banhados pelo Índico, a maioria na Indonésia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.