Cerca de 60 mil fugiram de Myanmar nos últimos dias

A violência começou depois do ataque de 25 de agosto contra três dezenas de postos da polícia pela rebelião, o Exército de Salvação do Estado Rohingya

Cerca de 60 mil pessoas, sobretudo da maioria muçulmana 'rohingya', fugiram de Myanmar para o Bangladesh nos últimos dias, devido aos combates entre o exército e a rebelião no noroeste do país, anunciou hoje a Organização das Nações Unidas (ONU).

"O número estimado é 58.600, segundo várias agências humanitárias, e vai continuar a aumentar", disse uma porta-voz do Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR), Vivian Tan.

Na sexta-feira, a ONU tinha avançado uma estimativa de 38.000 refugiados chegados ao Bangladesh numa semana, período durante o qual os combates fizeram mais de 400 mortos.

A violência começou depois do ataque de 25 de agosto contra três dezenas de postos da polícia pela rebelião, o Exército de Salvação do Estado Rohingya (Arakan Rohingya Salvation Army, ARSA), que defende os direitos dos 'rohingya'.

Mais de um milhão de 'rohingyas' vivem no estado de Rakhine (antes Arakan), no noroeste da Birmânia, sendo considerados como estrangeiros e discriminados e perseguidos há décadas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".