Cerca de 50 mortos nas últimas 24 horas em Aleppo

Entre os mortos estão pelo menos 18 menores e 8 mulheres

Pelo menos 50 pessoas foram mortas nas últimas 24 horas por bombardeamentos e disparos de artilharia nos bairros leste da cidade síria de Aleppo, cercados pelo exército e controlados pela oposição, referiu o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSCH).

A ONG destacou que entre os mortos há pelo menos 18 menores e oito mulheres.

A artilharia governamental e aviões de guerra atacaram os distritos de Al Marye, Al Qataryi, Al Sukari, Bab al Nasr, Karam al Nazaha, Al Mashad, Al Sheij Fares, Masaken Hanano e Al Qatania, na zona leste da cidade.

A OSDH referiu que 20 pessoas perderam a vida apenas no distrito de Al Qataryi.

Antes, o porta-voz da Defesa civil de Aleppo, Ibrahim Abu Leiz, tinha referido à agência noticiosa Efe que pelo menos 35 pessoas morreram e 70 ficaram feridas num bombardeamento à região de Al Awiyel, periferia oeste de Alepo.

Estes ataques coincidem com o anúncio emitido esta segunda-feira pelo exército russo, sobre uma "pausa humanitária" de oito horas na quinta-feira em Alepo, e que deverão interromper os ataques aéreos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.