Cerca de 10 mil animais serão mortos no festival do cão

A localidade chinesa de Yulin, na província de Guangxi, sudoeste da China, recebe a partir de hoje e durante dez dias mais uma edição do "Festival de Carne de Cão", apesar dos insistentes protestos de organizações amigas dos animais.

Estima-se que cerca de 10 mil cães e gatos serão sacrificados como parte de um ritual que todos os anos se cumpre naquela localidade, no solstício de verão, e que as petições 'online' classificam como espetáculo bárbaro e cruel.

Segundo descreveu a agência espanhola EFE, no mercado local de Dashichang vários ativistas conseguiram ainda libertar alguns dos cães enjaulados.

No conjunto, a organização Humane Society Internacional (HSI) conseguiu resgatar, até hoje, 54 cães e gatos, escreve a agência.

Nos últimos anos, vendedores de carne de cão e ativistas chegaram a entrar em confronto e alguns restaurantes e vendedores optaram por esconder os cartazes onde anunciam a sua "especiaria".

No mercado de Dongkou, onde se vende a carne já depois de morto o animal, o ambiente é semelhante a outros mercados ao ar livre da China.

Porém, é ainda possível identificar os cães, esfolados ou queimados, pendurados em ganchos pela boca e preparados para serem cortados e servidos aos clientes.

O festival é controverso não só por servir carne de cão - comum a muitos países da Ásia - mas pela origem dos animais: a Fundação de Animais da Ásia estima que a maioria eram cães vadios ou domésticos que foram roubados aos donos.

"O cumprimento da lei é da responsabilidade do Governo chinês, mas até agora as autoridades têm ignorado. Por isso, os ativistas chineses optam por ir até às estradas e bloquear a passagem de camiões carregados de cães obtidos de forma ilegal", escreveu a HSI em comunicado.

Este ano, as autoridades puseram barreiras nas vias de acesso ao município, respondendo ao apelo de algumas destas organizações, mas os ativistas pedem "uma ordem para encerrar definitivamente os matadouros".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.