Centro de Liverpool encerrado devido a ameaça de bomba. Um homem foi detido

Um homem subiu para o quinto andar de um edifício com um "embrulho suspeito". Após quatro horas e meio de cerco, foi detido

Várias ruas do centro de Liverpool, no noroeste de Inglaterra, foram hoje fechadas e evacuadas devido a uma ameaça de bomba feita por um homem que esteve entrincheirado num edifício da zona e que entretanto já foi detido, informou a polícia britânica.

Segundo a polícia da zona de Merseyside, os empregados do edifício Silkhouse Court ativaram o alarme de incêndio depois de verem um homem subir para o quinto andar com um "embrulho suspeito" cerca das 10:30 TMG (mesma hora em Lisboa).

"O homem está dentro do prédio e os negociadores estão em contacto direto com ele para tentar resolver a situação o mais depressa possível", indicou no início da operação a polícia num comunicado, adiantando que foi instalado um cordão policial como "medida de precaução".

Quatro horas e meia depois, as autoridades deram por terminada a operação, com a detenção do homem.

A polícia da zona de Merseyside confirmou que o homem vai ser interrogado e que nenhum ferido resultou deste incidente. A zona vai continuar encerrada até que seja realizada uma inspeção e que seja determinada como segura.

Uma seguradora especializada em veículos marítimos estará na base deste incidente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.