"Marcha pelas nossas vidas". Milhares nas ruas contra as armas de fogo

Em Washington, a imprensa dá conta de mais de meio milhão de pessoas, entre adolescentes e adultos, a pedirem medidas para que se ponha fim à violência armada

Centenas de milhares de norte-americanos participaram hoje em manifestações históricas contra as armas de fogo em várias cidades dos Estados Unidos, após a repetição de tiroteios em escolas.

Em Washington, uma multidão percorria as avenidas entre a Casa Branca e o Capitólio, com a imprensa local a dar conta de mais de meio milhão de pessoas, adolescentes e adultos, a pedirem medidas para que se ponha fim à violência armada.

Estão previstos 800 protestos e desfiles em várias cidades dos Estados Unidos e do mundo, com os jovens em destaque.

Em Nova Iorque, Atlanta, Chicago ou St. Paul (Minnesota), milhares de pessoas concentraram-se ao fim da manhã (hora local) para manifestar o seu apoio a este movimento pelo controlo das armas de fogo.

O protesto nacional surgiu em reação ao massacre de 14 de fevereiro, quando 17 pessoas foram mortas num liceu da Florida.

A frustração tem aumentado face à inércia dos legisladores e dos poderes públicos, que manifestam reservas em agir contra o poderoso 'lobby' norte-americano das armas de fogo, a NRA.

Na gigantesca manifestação de Washington viam-se cartazes a pedir que a situação não se repita.

"Hoje é o começo de um novo e brilhante futuro para o nosso país. Saímos à rua para exigir leis de controlo de armas. Nós somos a mudança", afirmou perante a multidão Cameron Kasky, um dos sobreviventes do tiroteio de 14 de fevereiro na Florida.

Kasky, de 17 anos, foi um dos organizadores desta "Marcha pelas nossas vidas".

"É assustador ir à escola sabendo o que se está a passar, é muito triste. Queremos uma solução em breve", disse à agência Efe Dayana Batres, uma estudante de 14 anos de uma escola secundária de Maryland, que participou neste protesto com a mãe e duas irmãs.

"Temos medo de ir à escola porque não sabemos se seremos os próximos", explicou Lauren Tilley, de 17 anos, citada pela AFP, que se deslocou da Califórnia para participar na iniciativa.

Desde o início do ano, já foram registados 33 incidentes com armas em centros educativos nos Estados Unidos, segundo dados da organização Everytown for Gun Safety.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.