Cathay Airlnes e o erro milionário: bilhetes de 14 mil euros a 600

Companhia aérea enganou-se a tabelar os bilhetes numa promoção de fim de ano e vários passageiros (não se sabem quantos) aproveitaram. Jornal chinês encontrou 11 pessoas que, no total, pouparam cerca de 576 mil euros

Comer caviar e beber champanhe são algumas das regalias que os clientes que voam na Cathay Airlines têm se viajarem em executiva ou primeira classe. Ir do Vietname para Nova Iorque, por exemplo, custa mais de 14.100 euros com estas regalias, mas na véspera de ano novo o preço pedido era de aproximadamente 600. Muitos dos que notaram o erro aproveitaram, mas ficaram expectantes relativamente ao próximo passo da companhia aérea, que acabou por assumir o erro e irá aceitar os bilhetes.

"Feliz 2019 a todos. E para os que compraram a nossa boa - muito boa e 'especial' surpresa de ano novo - cometemos um erro mas estamos ansiosos por vos receber a bordo com o vosso bilhete. Esperamos que isto torne o vosso 2019 'especial' também", escreveu a companhia aérea no Twitter.

A companhia aérea não divulgou quantos bilhetes vendeu em "promoção" e demorou 24 horas a dar a boa notícia a quem comprou os referidos bilhetes. No entanto, os voos nas referidas classes para agosto foram retirados, é o mês para o qual foram comprados os bilhetes, mas estão disponíveis para setembro, de novo a mais de 14 mil euros.

O Guardian explica que vários bloggers de viagens repararam nos preços e começaram imediatamente a partilhar com os seus seguidores. De acordo com um dos bloggers, um bilhete de Hong Kong para Nova Iorque, cujo preço normal é de cerca de 27330 euros, custou aproximadamente 1280 euros.

O South China Morning Post encontrou 11 passageiros que, no total, compraram 18 bilhetes de primeira classe e executiva, e conta que gastaram ao todo cerca de 24100 euros. Tivessem os ingressos sido vendido ao preço normal e o valor gasto teria sido de praticamente 600 mil euros.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.