Turistas em menor número no centro de Barcelona sem saber de eleições

Há cartazes da campanha eleitoral para o parlamento regional em toda a cidade, mas não houve manifestações políticas na baixa da cidade

O centro de Barcelona estava hoje cheio de turistas, mas em menor número do que em anos anteriores, com muitos sem se aperceber de que é dia de eleições decisivas para a estabilidade futura da Catalunha.

"Por acaso até sei que há eleições hoje", disse, satisfeito, o israelita Yonathan à agência Lusa, confessando logo a seguir ter sido a mulher a dizer-lhe, depois de ver na televisão, esta manhã, no quarto de hotel em que estão no centro de Barcelona.

Os cartazes da campanha eleitoral para o parlamento regional são bem visíveis em toda a cidade, mas ao contrário do que aconteceu em 01 de outubro último, quando se realizou um referendo considerado ilegal pelo Estado espanhol, não houve manifestações políticas na baixa da cidade.

"Parece que o [primeiro-ministro espanhol, Mariano] Rajoy os meteu na ordem", afirmou Yonathan com um sorriso brincalhão.

Rajoy dissolveu em finais de outubro o parlamento catalão dominado por uma maioria de deputados separatistas (72 lugares em 135) que tinha forçado a realização de um referendo sobre a autodeterminação da Catalunha, a 01 de outubro último, e aprovado em seguida uma declaração unilateral de independência.

Vários turistas estrangeiros desconheciam totalmente a realização de eleições, mas mesmo assim, alguns deles também estranhavam a inexistência de manifestações populares, como tinham visto nas televisões algumas semanas atrás.

"Estou muito admirado por estar tudo tão calmo. Pensava que ainda ia ver manifestantes com bandeiras", declarou o britânico Jonathan na praça em que está o Palácio do governo catalão (Generalitat).

No tradicional e muito turístico mercado de La Boqueria, ao lado da famosa Rambla de Barcelona, os feirantes/comerciantes independentistas e constitucionalistas (a favor da unidade de Espanha) eram facilmente identificáveis.

Os primeiros asseguravam que continuava a haver um número idêntico de turistas comparando com um ano atrás, enquanto os segundos se queixavam da "enorme redução" provocada pelo processo de secessão.

As estatísticas oficiais dão razão a estes últimos, indicando uma redução significativa de turistas e investimento estrangeiro na região mais rica e mais visitada pelos turistas de Espanha.

"O meu volume de negócios está 10-20% abaixo do normal por causa do que se passou", assegurou Jordi, o dono de uma das bancas de venda de comida, acrescentando estar convencido de que a situação irá mais facilmente "normalizar" se hoje ganharem os partidários da unidade de Espanha.

Uma empregada, Sara, defendeu que, "ganhe quem ganhar, não haverá grandes mudanças, pois vai continuar a haver um muito mau ambiente entre as duas partes e que tem provocado divisões entre amigos e famílias".

As pessoas estão muito divididas e falam mais com o coração do que com a cabeça

Os eleitores têm até às 20:00 (19:00 em Lisboa) para votar para o parlamento regional numas eleições em que o bloco constitucionalista vai tentar retirar aos que pretendem a independência a maioria que estes conseguiram na consulta anterior, em 2015.

As últimas sondagens dão um empate técnico entre os dois blocos, com os constitucionalistas de direita liberal Cidadãos e os independentistas da Esquerda Republicana (ERC) a liderar cada um dos campos mas muito longe da maioria absoluta.

O aumento esperado da taxa de participação e a transferência votos dentro de cada bloco torna o resultado imprevisível.

Até às 13:00 (12:00) já tinham votado 34,69% dos eleitores, um pouco menos do que os 35,10% da consulta anterior à mesma hora, mas o resultado pode ser falseado pelo facto de as presentes eleições se realizarem num dia normal de trabalho e muitas pessoas poderem decidir votar só ao fim do dia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.