Puigdemont atrasa para terça-feira comparência no parlamento da Catalunha

Presidente do governo regional tinha previsto comparecer no parlamento na segunda-feira, na sessão que foi invalidada pelo Tribunal Constitucional

O chefe do governo da Catalunha, Carles Puigdemont, pediu hoje para comparecer no parlamento regional na terça-feira, 10 de outubro, atrasando em um dia as explicações à assembleia sobre os passos que conta dar depois do referendo de autodeterminação.

Fontes parlamentares do parlamento regional, citadas pela agência espanhola Efe, indicaram que Puigdemont pediu a deslocação para explicar "a situação política atual", o que substitui a comparecência pedida anteriormente para segunda-feira, 09 de outubro, que foi invalidada pelo Tribunal Constitucional.

O tribunal espanhol tomou esta decisão na quinta-feira, depois de um recurso apresentado pelo Partido Socialista da Catalunha (PSC), por desconfiar da possibilidade de Puigdemont se estar a preparar para validar os resultados do referendo de autodeterminação e declarar a independência da Catalunha.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".