Presidente do Parlamento diz que investir Puigdemont "é uma possibilidade"

Roger Torrent revela que continua a ser uma hipótese investir o ainda "presidente legitimo" da Catalunha

O presidente do parlamento catalão, Roger Torrent, afirma que investir Carles Puigdemont "é uma possibilidade que está sobre a mesa", porque é o "presidente legítimo" da Catalunha.

Apesar de admitir investir Puigdemont, o presidente do parlamento da Catalunha lamentou que não tenha sido permitida a investidura de Jordi Sànchez.

Roger Torrent, em declarações à 8TV, afirmou que partilha com Puigdemont o "mesmo objetivo político, que é "dar cumprimento ao mandato democrático" das eleições do dia 21 de dezembro e garantir que existe um "governo efetivo que possa governar imediatamente".

Para o presidente do parlamento, é normal que exista a possibilidade de se avançar para a investidura de Puigdemont, ainda que saliente que a sua função não é a de escolher o candidato, mas sim de "escutar e entender" as posições dos grupos.

No entanto, Torrent afirmou que o candidato à investidura continua a ser Jordi Sànchez e que é preciso "defender os seus direitos políticos" contra a recusa do Supremo Tribunal em libertá-lo para que pudesse ser investido, salientando que novas eleições na Catalunha "não são convenientes".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".