Parlamento regional da Catalunha leva caso Puigdemont a tribunal europeu

Presidente do parlamento catalão vai apresentar "um pedido de medidas preventivas" para "proteger os direitos de Puigdemont para se apresentar de forma efetiva ao debate de investidura"

O parlamento catalão anunciou hoje que vai apresentar, junto do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, um recurso a pedir que o independentista Carles Puigdemont possa ser investido como presidente daquela comunidade autónoma espanhola.

A assembleia, com uma maioria de deputados independentistas, sublinha em comunicado que o presidente deste órgão, Roger Torrent, vai apresentar "um pedido de medidas preventivas" para "proteger os direitos de Puigdemont para se apresentar de forma efetiva ao debate de investidura".

Carles Puigdemont, acusado de crimes de rebelião, sedição e peculato, fugiu para a Bélgica em finais de outubro de 2017, depois de o Governo central espanhol ter dissolvido o parlamento da Catalunha, destituído o executivo regional que presidia e convocado eleições regionais na sequência de um processo de independência ilegalizado.

Os partidos independentistas renovaram a maioria absoluta nas eleições de 21 de dezembro último e pretendem voltar a nomear Puigdemont como presidente do Governo regional, nem que este seja investido à distância, a partir de Bruxelas, possibilidade que o Tribunal Constitucional espanhol já recusou.

A Catalunha está num aparente impasse institucional e não está posto de lado a realização de novas eleições na região.

A data em que o recurso vai ser apresentado ainda não é conhecida.

O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos verifica o respeito dos princípios da Convenção Europeia dos Direitos Humanos nos 47 países que pertencem ao Conselho da Europa, de que Portugal também faz parte.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.