Madrid exige suspensão de referendo, mas Barcelona recusa

O Governo Espanhol exigiu hoje em Barcelona às autoridades regionais da Catalunha a "suspensão" do referendo de 01 de outubro considerado ilegal, tendo estas respondido que nada farão para impedir a consulta.

Na reunião do Conselho de Segurança da Catalunha, em que participaram o secretário de Estado espanhol da Segurança, José Antonio Nieto, e o chefe do Governo catalão, Carles Puigdemont foi inconclusiva, tendo as duas partes mantido as posições já conhecidas.

Em declarações à imprensa depois da reunião, José Antonio Nieto explicou que pediu a Carles Puigdemont que "suspenda" o referendo e assuma a existência de uma "autoridade judicial" para que as várias forças de segurança impeçam a votação.

Por seu lado, o responsável pela Administração Interna da Generalitat (Governo regional catalão), Joaquim Forn, sublinhou que o executivo regional "não parará" o referendo que pretende realizar no domingo.

O Conselho de Segurança ("Junta de Seguridad") é o órgão competente para resolver os incidentes entre as forças de segurança do Estado espanhol e os corpos de polícia das comunidades autónomas espanholas, como é o caso da Catalunha.

O presidente da Generalitat, Carles Puigdemont, convocou na quarta-feira, unilateralmente, o Conselho de Segurança da Catalunha para discutir a coordenação do dispositivo policial implementado para impedir o referendo de 01 de outubro.

A Generalitat discorda de várias decisões tomadas até agora, como a da Procuradoria-geral da Catalunha de nomear um oficial para coordenar todas as forças da região com o objetivo de impedir o referendo do próximo domingo, considerado ilegal.

O Tribunal Constitucional espanhol suspendeu, como medida cautelar, todas as leis regionais aprovadas pelo parlamento e pelo governo da Catalunha que davam cobertura legal ao referendo de autodeterminação convocado para 01 de outubro.

Apesar das decisões dos tribunais e da pressão de Madrid, Carles Puigdemont mantém que o referendo de autodeterminação se irá realizar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.