Anarquistas invadem embaixada espanhola na Grécia para apoiar Catalunha

Grupo distribuiu folhetos por todo o edifício e gritou 'slogans' contra o Governo espanhol

Um grupo anarquista grego invadiu hoje de manhã a embaixada da Espanha em Atenas e pediu solidariedade para com o Governo da Catalunha.

Uma fonte da embaixada espanhola disse à agência de notícias espanhola EFE que cerca de vinte pessoas invadiram a embaixada por volta das 10:00 horas locais (08:00 em Lisboa), distribuindo folhetos por todo o edifício e gritando 'slogans' contra o Governo espanhol.

Os anarquistas, membros do grupo Rubicon, permaneceram nas instalações durante uma hora e o seu comportamento foi "pacífico".

Nos folhetos podia-se ler frases como "a solidariedade é uma arma do povo", entre outras.

Salvo três diplomatas, os restantes funcionários da embaixada saíram para a rua, onde esperaram até que os manifestantes abandonassem o edifício.

Um porta-voz da polícia declarou à EFE que depois do protesto foram detidas 19 pessoas.

O grupo Rubicon já protagonizou no passado protestos similares, com ocupações de ministérios, sedes de partidos e meios de comunicação.

O discurso de terça-feira do presidente do governo catalão no parlamento regional, no qual evitou uma declaração explícita de independência da região espanhola e propôs ainda uma suspensão dos seus efeitos, provocou leituras contraditórias e abriu brechas com os seus aliados.

Milhões de catalães -- incluindo os seus mais próximos aliados políticos - esperavam que Carles Puigdemont declarasse na terça-feira unilateralmente a independência da região, com efeitos imediatos e práticos, dando seguimento à vitória do "sim" no referendo de 01 de outubro, considerado ilegal pela justiça espanhola.

Por outro lado, milhões de outros catalães e demais espanhóis esperavam que Puigdemont renunciasse à independência -- uma exigência do Governo de Madrid - e convocasse eleições regionais antecipadas -- uma sugestão do principal partido da oposição, o PSOE.

O Governo em Madrid realiza hoje um conselho de ministros extraordinário para analisar os mais recentes desenvolvimentos da crise política na Catalunha.

Ler mais

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Eslováquia

Iveta Radicová: "Senti pressões de grupos criminosos todos os dias"

Foi a primeira mulher na Eslováquia a ter a cátedra de Sociologia, a disputar uma segunda volta nas eleições presidenciais e a exercer o cargo de primeira-ministra, entre 2010 e 2012. Enquanto governante sofreu na pele ameaças, mas o que agora a inquieta é saber quem são os responsáveis pela desinformação e discurso de ódio que a todos afeta nas redes sociais.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.