Alto-Comissário dos Direitos Humanos pede investigação à violência na Catalunha

O alto-comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos mostrou-se hoje "muito perturbado" com a violência que ocorreu no domingo na Catalunha e pediu uma investigação independente e imparcial sobre "todos os atos de violência".

Em comunicado, o máximo responsável dos Direitos Humanos da ONU, Zeid Ra'ad Al Hussein, disse que a resposta da polícia nestas situações deve ser "proporcional".

De acordo com o governo regional catalão, 893 pessoas ficaram feridas no domingo na Catalunha, na sequência de confrontos entre as polícias nacionais espanholas e cidadãos que pretendiam votar num referendo pela independência na região.

Pelo menos nove agentes da polícia e dois elementos da Guardia Civil também ficaram feridos nos confrontos, que visavam impedir a votação ilegal.

Zeid Ra'ad Al Hussein acrescentou ainda que a presente situação "deve resolver-se através do diálogo político, com total respeito pelas liberdades democráticas".

A justiça espanhola considerou ilegal o referendo pela independência convocado para domingo pelo governo regional catalão e deu ordem para que a polícia regional fechasse os locais de votação.

Face à inação da polícia regional, os Mossos d'Esquadra, em alguns locais, foram chamadas a Guardia Civil e a Polícia Nacional espanhola. Foram estes corpos de polícia de âmbito nacional que então protagonizaram os maiores momentos de tensão para tentar impedir o referendo.

A Guardia Civil e a Polícia Nacional espanhola realizaram cargas policiais e entraram à força em várias assembleias de voto que tinham sido ocupadas por pais, alunos, residentes e cidadãos em geral numa tentativa de garantir que os locais permaneceriam abertos.

Estas forças retiraram pessoas que ocupavam locais de votação, tendo mesmo ocupado o pavilhão desportivo da escola em Girona onde deveria votar o líder da Generalitat, Carles Puigdemont.

O presidente catalão acabaria por votar noutro local.

Além destas situações, houve ainda confrontos noutros locais, nomeadamente na sala de exposições de Sant Carles de la Ràpita (Terragona) e na Escola Rius i Taule (Barcelona), segundo relatos de repórteres das agências noticiosas internacionais.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.