Catalunha: Alegações dirigidas ao Senado avisam que a situação pode agravar-se

O presidente do governo autónomo da Catalunha considera, em carta dirigida ao Senado, que a aplicação do artigo 155 vai "afastar o povo catalão das instituições", provocando uma crise ainda mais grave na região.

O Senado espanhol começa hoje o debate e votação das medidas que o Governo central pretende aplicar na Catalunha, ao abrigo do artigo 155.º da Constituição, para impedir uma provável declaração de independência na região.

A Comissão do Senado que vai analisar as medidas propostas pelo Executivo de Mariano Rajoy começa às 17:00, à mesma hora que se inicia uma sessão plenária no parlamento regional catalão em que está prevista uma declaração do presidente da Generalitat.

Na mensagem dirigida à Câmara Alta, a Generalitat acusa o governo central de ter "ultrapassado de forma ampla" e "sem justificação" os limites que são permitidos pelo artigo 155.º da Constituição porque é desproporcional em relação às atuações do governo autónomo relacionadas com o processo independentista.

Leia aqui a carta

O documento considera uma "aberração" que seja o presidente do Executivo a decidir a convocação de eleições e que não tem "cabimento" um "governo do Estado na Catalunha".

A Generalitat avisa também que as medidas previstas podem provocar a "paralisação" dos serviços públicos e que no limite "retiram à Catalunha a sua autonomia política".

Segundo o governo catalão, as decisões, no contexto do acordo conseguido pelo Executivo, para a aplicação do artigo 155.º e que vai ser debatido hoje no Senado "despojam as instituições da Generalitat dos principais atributos".

Entre outros, a missiva da Generalitat refere como exemplos o facto de o presidente do governo central poder vir a assumir a possibilidade de dissolver o parlamento catalão e convocar eleições na Catalunha ou afastar o presidente da Generalitat e limitar os poderes do parlamento local.

Sendo assim, a Generalitat considera que, se o Senado autorizar as medidas, "vai estar a efetuar uma imposição sem ponderar as causas que a justificam e incorrendo em evidentes excessos".

O governo regional catalão afirma também que deteta uma "clara falta de congruência" e uma "manifesta desproporção entre a finalidade pretendida e as alterações impostas ao sistema institucional da Generalitat".

O documento que contém as alegações da Generalitat diz ainda que a interferência na administração local por parte do governo central, além de provocar uma acumulação das funções pode gerar "uma paralisação dos serviços públicos".

Por outro lado, a Generalitat encara como "insólito e impróprio" que um Estado que reconhece a liberdade de difundir informação venha a ter o poder de controlar a rádio e televisão públicas catalãs.

O documento da Generalitat concluiu o texto das alegações recordando que em 1978, no debate da redação da Constituição, o grupo parlamentar, Alianza Popular, dirigido por Manuel Fraga, apresentou um voto particular que defendia a intervenção numa comunidade, com suspensão dos órgãos e designação de um governador-geral com poderes extraordinários.

Finalmente, o governo regional sublinha que as atuações propostas pelo Executivo vão "além" das medidas necessárias ao permitirem a desarticulação da estrutura da administração e substituir através de autoridades estatais os "representantes legais do povo da Catalunha".

Em suma, a Generalitat frisa que as medidas vão "agravar ainda mais uma situação extraordinária".

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.