Duas crianças grávidas na Argentina reavivam discussão sobre aborto

Meninas de 11 anos foram vítimas de violações e abusos sexuais

Dois casos de gravidez em crianças de 11 anos na Argentina, vítimas violações e abusos sexuais, alegadamente pelos seus padrastos, reavivaram a discussão sobre o aborto não punível para vítimas de violência sexual.

Num dos casos, uma menina apareceu no hospital em Salta, no norte da Argentina, com dores abdominais, acabando por dizer que o padrasto abusou dela.

Naquela província, a lei apenas permite a interrupção da gravidez até a semana 12 e a menina estava na sua semana 19.

O outro caso, uma menina também de 11 anos da província de Mendoza decidiu manter a gravidez e está já no quarto mês de gestação.

A situação foi conhecida devido à queixa de uma professora, com a criança a ser também alvo de abusos do companheiro da mãe.

Embora uma decisão do tribunal tenha estabelecido em 2012 que o aborto não é punível se for o resultado de uma violação, tendo sido indicado que não é necessário ir a tribunal para o efetuar, várias províncias ainda não aderiram a esta decisão.

Mendoza é uma das províncias que não aderiu, enquanto em Salta foi aprovada apenas há dois dias, depois do caso ser conhecido.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.