Caso Benalla: Gérard Collomb responsabiliza gabinete de Macron

O ministro do interior francês, ouvido no Parlamento, garante que não tem qualquer responsabilidade no caso Benalla

"Era ao gabinete de Macron e à polícia que caberia decidir sanções", afirmou o ministro, ouvido esta manhã numa comissão de inquérito da Assembleia Nacional, o parlamento francês.

Muitas foram as vozes que exigiram a demissão de Collomb, à esquerda e à direita, mas o ministro descartou qualquer responsabilidade pelos atos de Alexandre Benalla. "Não é ao ministro que compete", afirmou perante os deputados, fazer justiça num caso como este.

O Ministério Público iniciou uma investigação na quinta-feira passada depois de o jornal Le Monde ter publicado imagens registadas em vídeo em que Alexandre Benalla é visto a agredir manifestantes, o que gerou uma "tempestade política" em França, com a oposição a acusar as autoridades de tentarem esconder o caso.

Segundo o canal de notícias francês BFM TV, o Palácio do Eliseu afastou Benalla de todas as funções que desempenhada tendo iniciado um processo de demissão, depois de terem sido comunicados "novos factos que constituem uma falha" por parte do agente e que são objeto de "um processo judicial".

O canal BFM TV acrescentou -- na semana passada - que três polícias foram suspensos no âmbito do mesmo caso, suspeitos de terem tentado suprimir imagens das câmaras de videovigilância da cidade de Paris relacionadas com os atos de Benalla.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".