Caso Benalla: Gérard Collomb responsabiliza gabinete de Macron

O ministro do interior francês, ouvido no Parlamento, garante que não tem qualquer responsabilidade no caso Benalla

"Era ao gabinete de Macron e à polícia que caberia decidir sanções", afirmou o ministro, ouvido esta manhã numa comissão de inquérito da Assembleia Nacional, o parlamento francês.

Muitas foram as vozes que exigiram a demissão de Collomb, à esquerda e à direita, mas o ministro descartou qualquer responsabilidade pelos atos de Alexandre Benalla. "Não é ao ministro que compete", afirmou perante os deputados, fazer justiça num caso como este.

O Ministério Público iniciou uma investigação na quinta-feira passada depois de o jornal Le Monde ter publicado imagens registadas em vídeo em que Alexandre Benalla é visto a agredir manifestantes, o que gerou uma "tempestade política" em França, com a oposição a acusar as autoridades de tentarem esconder o caso.

Segundo o canal de notícias francês BFM TV, o Palácio do Eliseu afastou Benalla de todas as funções que desempenhada tendo iniciado um processo de demissão, depois de terem sido comunicados "novos factos que constituem uma falha" por parte do agente e que são objeto de "um processo judicial".

O canal BFM TV acrescentou -- na semana passada - que três polícias foram suspensos no âmbito do mesmo caso, suspeitos de terem tentado suprimir imagens das câmaras de videovigilância da cidade de Paris relacionadas com os atos de Benalla.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.