Casal leva filho para casa um ano depois de ser trocado na maternidade

Salvadorenha e britânico conseguiram provar que o hospital lhes entregara a criança errada quatro meses depois do parto

O pesadelo começou no dia a seguir ao parto, em El Salvador, para Mercedes Casanellas, salvadorenha, e o marido, o britânico Richard Cushworth. Mercedes deu à luz um menino em maio de 2015. A criança nasceu de cesariana e, imediatamente a seguir ao nascimento, a mãe pôde vê-la e beijá-la. Em seguida, o recém-nascido foi levado por uma enfermeira. "Foi a última vez que o vi", disse a mãe à BBC.

No dia seguinte, outra funcionária do hospital trouxe-lhe o filho e, apesar de ter duvidado imediatamente da identidade da criança, Mercedes acabou por desistiu quando as enfermeiras insistiram que aquele era o seu bebé. Mas ficou convencida de que a criança que lhe tinha sido entregue tinha a pele mais escura do que aquela que vira sair de dentro de si.

O casal, que vive em Dallas, nos EUA, regressou a casa. Perante a dúvida de Mercedes, decidiram fazer um teste de ADN quando o filho tinha quatro meses. O resultado mostrava sem margem de erro que aquela criança tinha o% do material genético dos dois. Apesar da certeza, não foi fácil para o casal aceitar que tinha cuidado de uma criança que não era a sua. "Estávamos apaixonados por aquele bebé. Mesmo quando fizemos os testes de ADN, achei que estava a traí-lo. Era esse o sentimento que tinha, estou a trair o meu filho mas não consigo viver assim".

Depois de os testes genéticos mostrarem que a criança tinha sido trocada na maternidade, o processo foi rápido e levou poucas semanas até que Mercedes e Richard tivessem nos braços o filho biológico. O pior veio depois, quando precisaram de uma certidão de nascimento para deixar El Salvador e levar o bebé de volta a casa, aos EUA. Foi necessário pedir intervenção do embaixador britânico em El Salvador e aguardar que a diplomacia conseguisse contornar os obstáculos burocráticos. A espera foi longa: nove meses que deixaram o casal praticamente na penúria, admitiram à BBC. Até ao dia de hoje, Mercedes e Richard ainda não sabem como e por quem o filho foi trocado na maternidade. Regressaram agora a casa, com a certeza de que não levam a criança de outros pais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...