Casal descobre que tirou foto "junto" 11 anos antes de se conhecer

Dois chineses descobriram que já se tinham cruzado 11 anos antes de se apaixonarem. A prova é uma fotografia em que aparecem no mesmo sítio, a fazerem a mesma coisa

Um casal chinês apaixonou-se em 2011, casou-se e agora tem dois filhos. Até aqui tudo normal. Mas o que Xue e Ye não sabiam é que, afinal, não foi há sete anos que se cruzaram pela primeira vez.

A surpreendente descoberta aconteceu quando Xue estava a ver uma fotografia na qual está a posar frente ao monumento na Praça 4 de Maio, em Qingdao, cidade que visitou em 2000. Lá atrás, na imagem, surge o marido. Ye estava a fazer exatamente o mesmo que aquela adolescente.

Ou seja, 11 anos antes de se apaixonarem, os dois chineses já tinham estado no mesmo local juntos a fazer a mesma coisa na mesma altura, relata o jornal The Gardian. Na altura, os dois adolescentes estavam apenas separados por alguns metros.

Xue e Ye - os apelidos não aparecem nos jornais locais - cruzaram-se numa cidade diferente e a milhares de quilómetros do local onde pensavam que se tinham encontrado pela primeira vez.

"Quando vi a fotografia fiquei muito surpreso e tive arrepios pelo corpo todo", admitiu Ye. Depois da descoberta da mulher foi à procura da sua foto, e encontrou.

Pais de gémeos, os dois já têm uma história diferente para contar aos filhos. Mas eles querem fazer mais do que isso. "Quando as crianças crescerem nós vamos outra vez a Qingdao e a família vai tirar uma nova fotografia", prometeu Ye.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.