Casal descobre que tirou foto "junto" 11 anos antes de se conhecer

Dois chineses descobriram que já se tinham cruzado 11 anos antes de se apaixonarem. A prova é uma fotografia em que aparecem no mesmo sítio, a fazerem a mesma coisa

Um casal chinês apaixonou-se em 2011, casou-se e agora tem dois filhos. Até aqui tudo normal. Mas o que Xue e Ye não sabiam é que, afinal, não foi há sete anos que se cruzaram pela primeira vez.

A surpreendente descoberta aconteceu quando Xue estava a ver uma fotografia na qual está a posar frente ao monumento na Praça 4 de Maio, em Qingdao, cidade que visitou em 2000. Lá atrás, na imagem, surge o marido. Ye estava a fazer exatamente o mesmo que aquela adolescente.

Ou seja, 11 anos antes de se apaixonarem, os dois chineses já tinham estado no mesmo local juntos a fazer a mesma coisa na mesma altura, relata o jornal The Gardian. Na altura, os dois adolescentes estavam apenas separados por alguns metros.

Xue e Ye - os apelidos não aparecem nos jornais locais - cruzaram-se numa cidade diferente e a milhares de quilómetros do local onde pensavam que se tinham encontrado pela primeira vez.

"Quando vi a fotografia fiquei muito surpreso e tive arrepios pelo corpo todo", admitiu Ye. Depois da descoberta da mulher foi à procura da sua foto, e encontrou.

Pais de gémeos, os dois já têm uma história diferente para contar aos filhos. Mas eles querem fazer mais do que isso. "Quando as crianças crescerem nós vamos outra vez a Qingdao e a família vai tirar uma nova fotografia", prometeu Ye.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.