Casado surpreende e disputará liderança do PP com Sáenz de Santamaría

Militantes escolheram os dois candidatos à sucessão de Mariano Rajoy. Um deles será eleito pelos delegados no Congresso de 20 e 21 de julho. María Dolores de Cospedal, secretária-geral do partido, é a grande derrotada.

O vice-secretário de Comunicação do Partido Popular, Pablo Casado, surpreendeu e ficou a apenas 1600 votos de ganhar as primárias que marcam o início do processo que vai eleger o sucessor de Mariano Rajoy. O seu segundo lugar, atrás da ex-número dois do governo espanhol, Soraya Sáenz de Santamaría, afasta da corrida a outra favorita, María Dolores de Cospedal, secretária-geral do partido e ex-ministra da Defesa.

Saénz de Santamaría venceu as primárias com 37% dos votos (21 513) e vai disputar com Casado (19 967 votos, ou 34%) a liderança do PP no congresso extraordinário de 20 e 21 de julho. Cospedal foi terceira, com 15 090 votos (26%), sendo a grande derrotada. Os números foram confirmados pelo presidente do Comité Organizador do Congresso, Luis de Grandes.

O deputado e ex-chefe da diplomacia espanhola, José Manuel García-Margallo, teve 680 votos, o antigo responsável pelas Relações Internacionais do PP, José Ramón García Hernández, teve 688 e o vereador do PP em Valência, Elio Cabanes, teve 185.

García Margallo reagiu no Twitter, dizendo-se orgulho de pertencer ao partido e pondo-se ao seu serviço.

O mesmo fez García Hernández.

O congresso extraordinário foi marcado depois de o ex-primeiro-ministro ter anunciado o seu desejo de deixar a presidência partidária ao final de quase 14 anos e depois de ter sido afastado da chefia do governo graças a uma moção de censura que pôs o socialista Pedro Sánchez na Moncloa.

No total havia seis pré-candidatos à liderança do PP. Nas primárias para reduzir esse número a dois terão votado cerca de 58 mil dos 66700 inscritos (87%), que já só representavam 7% dos militantes. O líder será escolhido pelos mais de três mil delegados, a maioria dos quais foram também eleitos hoje (522 são delegados "natos" e têm voto automático, por serem membros da Junta Diretiva do partido ou da Comissão Organizadora do congresso).

Contagem de votos

Desde o início da contagem dos votos, após o fecho das urnas às 20.30 em Madrid, que Sáenz de Santamaría e Casado se colocavam com vantagem frente a Cospedal. De facto, o jovem vice-secretário de Comunicação do partido parecia mesmo lançado para surpreender até a ex-número dois de Rajoy, tendo conquistado 54,4% dos votos na região de Madrid.

Mas a Andaluzia acabaria por fazer tombar a balança na direção de Sáenz de Santamaría, que aí conquistou mais quatro mil votos que Pablo Casado.

Pablo Casado, de 37 anos, estudou Direito na Universidade Complutense de Madrid e Administração de Empresas na Universidade Rei Juan Carlos (e está a ser investigado depois dos escândalos que envolveram o curso de mestrado de Cristina Cifuentes, ex-presidente da Comunidade de Madrid). Ex-líder da Nuevas Generaciones, a organização de juventude do PP, representa a renovação partidária. É casado e tem dois filhos. É deputado desde 2011 por Ávila.

Já Sáenz de Santamaría é uma veterana, tendo sido a número dois de Rajoy nos últimos sete anos. Antes, entre 2008 e 2011, foi porta-voz do grupo parlamentar do PP,

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.