Casado surpreende e disputará liderança do PP com Sáenz de Santamaría

Militantes escolheram os dois candidatos à sucessão de Mariano Rajoy. Um deles será eleito pelos delegados no Congresso de 20 e 21 de julho. María Dolores de Cospedal, secretária-geral do partido, é a grande derrotada.

O vice-secretário de Comunicação do Partido Popular, Pablo Casado, surpreendeu e ficou a apenas 1600 votos de ganhar as primárias que marcam o início do processo que vai eleger o sucessor de Mariano Rajoy. O seu segundo lugar, atrás da ex-número dois do governo espanhol, Soraya Sáenz de Santamaría, afasta da corrida a outra favorita, María Dolores de Cospedal, secretária-geral do partido e ex-ministra da Defesa.

Saénz de Santamaría venceu as primárias com 37% dos votos (21 513) e vai disputar com Casado (19 967 votos, ou 34%) a liderança do PP no congresso extraordinário de 20 e 21 de julho. Cospedal foi terceira, com 15 090 votos (26%), sendo a grande derrotada. Os números foram confirmados pelo presidente do Comité Organizador do Congresso, Luis de Grandes.

O deputado e ex-chefe da diplomacia espanhola, José Manuel García-Margallo, teve 680 votos, o antigo responsável pelas Relações Internacionais do PP, José Ramón García Hernández, teve 688 e o vereador do PP em Valência, Elio Cabanes, teve 185.

García Margallo reagiu no Twitter, dizendo-se orgulho de pertencer ao partido e pondo-se ao seu serviço.

O mesmo fez García Hernández.

O congresso extraordinário foi marcado depois de o ex-primeiro-ministro ter anunciado o seu desejo de deixar a presidência partidária ao final de quase 14 anos e depois de ter sido afastado da chefia do governo graças a uma moção de censura que pôs o socialista Pedro Sánchez na Moncloa.

No total havia seis pré-candidatos à liderança do PP. Nas primárias para reduzir esse número a dois terão votado cerca de 58 mil dos 66700 inscritos (87%), que já só representavam 7% dos militantes. O líder será escolhido pelos mais de três mil delegados, a maioria dos quais foram também eleitos hoje (522 são delegados "natos" e têm voto automático, por serem membros da Junta Diretiva do partido ou da Comissão Organizadora do congresso).

Contagem de votos

Desde o início da contagem dos votos, após o fecho das urnas às 20.30 em Madrid, que Sáenz de Santamaría e Casado se colocavam com vantagem frente a Cospedal. De facto, o jovem vice-secretário de Comunicação do partido parecia mesmo lançado para surpreender até a ex-número dois de Rajoy, tendo conquistado 54,4% dos votos na região de Madrid.

Mas a Andaluzia acabaria por fazer tombar a balança na direção de Sáenz de Santamaría, que aí conquistou mais quatro mil votos que Pablo Casado.

Pablo Casado, de 37 anos, estudou Direito na Universidade Complutense de Madrid e Administração de Empresas na Universidade Rei Juan Carlos (e está a ser investigado depois dos escândalos que envolveram o curso de mestrado de Cristina Cifuentes, ex-presidente da Comunidade de Madrid). Ex-líder da Nuevas Generaciones, a organização de juventude do PP, representa a renovação partidária. É casado e tem dois filhos. É deputado desde 2011 por Ávila.

Já Sáenz de Santamaría é uma veterana, tendo sido a número dois de Rajoy nos últimos sete anos. Antes, entre 2008 e 2011, foi porta-voz do grupo parlamentar do PP,

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.