Casa Branca rejeita plano para fechar Guantánamo por ser demasiado dispendioso

Plano foi devolvido ao Pentágono para ser revisto. Proposta apresentada pela Defesa ascendia aos 566 milhões de euros

O Governo dos Estados Unidos rejeitou um plano, elaborado pelo Departamento de Defesa, para encerrar a prisão de Guantánamo por o considerar demasiado dispendioso, devolvendo-o ao Pentágono para que seja revisto, avança o The Wall Street Journal.

De acordo com o jornal, a proposta apresentada pela Defesa ascendia aos 566 milhões de euros, um valor considerado excessivo pela Administração dirigida por Barack Obama.

Deste total para fechar a prisão, 330 milhões seriam destinados à construção de um novo estabelecimento penal em território norte-americano para onde seriam transportados os reclusos considerados de maior risco, segundo disseram ao jornal altos funcionários da Defesa.

A rejeição do plano apresentado pelo Pentágono representa um novo obstáculo a uma das prioridades estabelecidas por Obama até ao fim do seu mandato, já que o Presidente prometeu fechar Guantánamo na sua primeira campanha eleitoral, em 2008.

No entanto, Obama foi confrontado, desde o início, com a oposição do Congresso, especialmente entre os republicanos, que recusam a transferência dos reclusos para prisões nos Estados Unidos.

O custo anual de operar Guantánamo, onde permanecem 107 presos, é de 337 milhões de euros, enquanto o da nova prisão proposta pelo Pentágono em solo norte-americano seria de 283 milhões (a que se junta o custo inicial de 330 milhões para a construção).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.