Casa Branca diz que Coreia do Norte pediu novo encontro com Trump

A revelação foi feita pela porta-voz do presidente norte-americano, que revelou ter recebido uma carta "calorosa e muito produtiva" de Kim Jong-un

A Casa Branca anunciou esta segunda-feira que o líder norte-coreano, Kim Jong-un, solicitou, numa carta, a realização de um segundo encontro com o Presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, cuja coordenação já está a ser trabalhada.

Esta informação surge depois de o conselheiro de Trump, John Bolton, ter dito que os Estados Unidos admitiam um novo encontro com o líder norte-coreano, mas a iniciativa teria de pertencer-lhes.

"O principal objetivo da carta era solicitar, e ver como se pode concretizar, um novo encontro com o Presidente", disse Sarah Sanders, porta-voz de Donald Trump, numa conferência de imprensa, na Casa Branca, em Washington.

Sarah Sanders, que classificou a carta do líder da Coreia do Norte como "calorosa e muito produtiva", salientou que já se está a trabalhar para a concretização deste segundo encontro. A porta-voz evitou, no entanto, dar mais detalhes, como o local e data deste possível segundo encontro entre os dois líderes.

Esta foi a primeira conferência de imprensa de Sarah Sanders em quase três semanas, resultado das tensões entre o governo de Trump e os meios de meios de comunicação social.

Em junho realizou-se em Singapura um encontro histórico entre Donald Trump e Kim Jong-un, tendo ficado acordado que iriam trabalhar para a desnuclearização da Coreia do Norte, mas acabaram por surgir divergências na forma de avançar com este processo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.