Casa Branca difunde vídeo adulterado da discussão de jornalista da CNN com Trump

Imagens da interação de Jim Acosta com a funcionária que lhe tenta retirar o microfone foram exageradas. Mas foi precisamente esse confronto o motivo invocado para lhe retirar as credenciais da Casa Branca

A discussão de quarta-feira entre Donald Trump, presidente norte-americano, e Jim Acosta, jornalista da cadeia CNN, continua a decorrer, mas agora fora da Casa Branca. Nesse mesmo dia, a secretária de imprensa de Trump, Sarah Huckabee Sanders, anunciou que o Executivo decidiu retirar ao repórter a sua acreditação junto da representação presidencial.

E invocou que Acosta tinha mostrado um comportamento "completamente inaceitável" ao usar as suas mãos "de forma agressiva" para travar a funcionária que lhe tentava retirar o microfone das mãos. Mas Acosta veio imediatamente a público recusar qualquer agressividade.

Sanders reiterava as sanções ao jornalista e publicava um vídeo das imagens que explicavam, na opinião da Casa Branca, o comportamento inapropriado. Problema? O vídeo tinha sido manipulado.

Vários especialistas em imagem digital asseguram que houve um aceleramento da movimento em que Acosta toca no braço da funcionária e um abrandamento do momento em que o jornalista recua, ampliando o efeito de agressividade.

Além disso, o audio foi transformado de modo a retirar a expressão "Pardon me, ma'am" (perdoe-me, minha senhora), que Acosta dirigiu à jovem funcionária antes de prosseguir com as perguntas a Trump.

O Washington Post avança que o vídeo foi alterado por um colaborador do Infowars, um site de difusão de fake news associado à extrema-direita. Entretanto, várias organizações, nomeadamente a própria Associação de Fotojornalistas da Casa Branca, vieram condenar a difusão do vídeo manipulado. O Post chamou-lhe "uma propaganda visual rara em regimes democráticos."

Sanders, a secretária de imprensa, manteve-se no entanto firme na condenação: "Houve ou não houve contacto? Isso é que é importante", atirou ontem à noite a um grupo de repórteres que lhe fizeram perguntas sobre o assunto. Esta manhã, Trump veio dizer que o vídeo não tinha sido manipulado, apenas ampliado. Veja os dois vídeos e compare.

Ler mais

Exclusivos