Casa Branca enganou-se a escrever Theresa May. Ficou o nome de uma atriz porno

Gafe já se tornou de várias formas viral nas redes sociais

A Casa Branca escreveu mal o nome da primeira-ministra britânica Theresa May. O erro, já por si mau, ficou ainda pior porque logo várias pessoas associaram o nome atribuído à primeira-ministra pela administração americana ao da modelo e atriz pornográfica, também britânica, Teresa May. A falta da letra "H", que aparece no nome da primeira, mas não da segunda, foi o suficiente para causar um reboliço nas redes sociais.

O erro foi cometido - repetido três vezes - num comunicado emitido pela Casa Branca que dava conta dos eventos do dia. "Durante a tarde, o Presidente vai participar numa reunião bilateral com a Primeira-Ministra do Reino Unido, Teresa May", dizia o comunicado.

Nem Theresa May nem a administração do Reino Unido comentaram este lapso, mas a atriz Teresa May mostrou-se aborrecida pelo sucedido nas redes sociais.

"Por causa de idiotas que não sabem a diferença entre mim e a primeira-ministra Theresa May a minha conta foi bloqueada", escreveu a atriz no Twitter esta tarde.

Noutra publicação, Teresa May ameaçou bloquear qualquer pessoa que, por qualquer motivo, lhe enviasse uma mensagem direcionada à primeira-ministra. A modelo diz estar cansada dos enganos frequentes e afirma que não se interessa por política.

O pesadelo de Teresa May começou quando Theresa May se tornou primeira-ministra do Reino Unido. Na altura, a atriz ainda ridicularizou a situação.

"Acho muito engraçado a quantidade de pessoas que pensam que eu sou a Primeira-Ministra Theresa May. Apenas mostra o quanto algumas pessoas são ignorantes", escreveu a modelo na altura.

Nas redes sociais, algumas pessoas se aproveitam do engano da Casa Branca para brincar com a situação.

"Se a Casa Branca tem escrito o nome dela mal, isso explica porque Trump estava tão ansioso por ver Teresa May", diz um utilizador.

Outros comparam apenas as fotografias das duas mulheres.

Theresa May foi a primeira líder de Estado a encontrar-se com Donald Trump desde que este foi eleito presidente dos Estados Unidos.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."