Cardeal francês pede perdão às vítimas de padres pedófilos

Barbarin, arcebispo de Lyon , citou o papa Francisco ao declarar sentir-se na "'obrigação de assumir todo o mal cometido por alguns padres"

O cardeal francês Philippe Barbarin, suspeito de ter fechado os olhos a casos de pedofilia, pediu "pessoalmente perdão" às vítimas dos padres acusados, durante uma missa na quarta-feira à noite, indicou hoje a diocese de Lyon.

Barbarin, arcebispo de Lyon (centro-leste), citou o papa Francisco ao declarar sentir-se na "'obrigação de assumir todo o mal cometido por alguns padres e pedir pessoalmente perdão pelos danos que eles causaram ao abusar sexualmente de crianças', apesar de não ser bispo na altura destes factos abomináveis", de acordo com a página digital da diocese.

Na semana passada, em Lourdes, o cardeal declarou "nuca ter ocultado o menor ato de pedofilia", sublinhando que a maioria dos casos tinha prescrito juridicamnete quando chegaram ao seu conhecimento.

Algumas vítimas apresentaram queixas contra vários responsáveis da Igreja, incluindo Barbarin, por "não-denúncia" dos factos.

Sem visar diretamente Barbarin, a justiça francesa abriu dois inquéritos preliminares na sequência das queixas apresentadas: uma por "não-denúncia" e "perigo para a vida de terceiros", a segunda ainda sem motivo.

A Igreja francesa tem atuado nos casos de pedofilia, sobretudo desde a condenação em 2001 do bispo Pierre Pican a três meses de prisão com pena suspensa por "não-denúncia" das violações de menores cometidas por um padre da sua diocese.

Na semana passada, Charles Scicluna, antigo responsável da justiça no Vaticano, garantiu que atualmente já não é possível transferir um padre acusado de pedofilia para outra paróquia.

Até aqui, Barbarin teve o apoio dos seus pares, que consideram rigorosa a gestão do cardeal nestes processos.

O Vaticano afirmou que o cardeal geriu este dossier "com muita responsabilidade", sublinhando que Barbarin "estava perante uma situação que remontava há vários anos".

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.