Capturado um dos líderes do cartel dos Zetas

O principal responsável de um dos mais poderosos e brutais cartéis do narcotráfico foi detido na capital, anunciaram as autoridades mexicanas.

O máximo responsável dos Zetas e ex-dirigente das operações do cartel no sudeste do México foi detido nesta sexta-feira num subúrbio da capital conhecido pelos seus restaurantes e bares.

José Maria Guízar Valencia, conhecido como "Z-43", tem dupla nacionalidade, mexicana e americana, sendo procurado nos Estados Unidos, onde é oferecida uma recompensa de cinco milhões de dólares. Segundo o Departamento de Estado, Valencia é responsável pelo envio para os EUA de "milhares de quilos de cocaína e meta-anfetaminas todos os anos".

Segundo as autoridades americanas, é ainda responsável "por um número indeterminado de civis guatemaltecos" na região fronteiriça deste país com o México, e os Zetas procuram consolidar a sua influência.

A detenção do dirigente dos Zetas, nascido em 1969, ocorreu "sem uso de força", disse o responsável da Comissão de Segurança Nacional, Renato Sales, na conferência de imprensa na Cidade do México onde foi anunciada a captura de Valencia.

Os EUA deverão pedir a sua extradição, referem os meios de comunicação mexicanos.

Um dos mais brutais e importantes cartéis do narcotráfico no México, os Zetas têm visto vários dos seus principais dirigentes capturados nos últimos anos, entre os quais os dois principais líderes, os irmãos Morales, Miguel e Omar, presos, respetivamente, em 2014 e 2015. Aos quais sucedeu Valencia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.