Capitão do Lifeline libertado sob pagamento de fiança de 10 mil euros

Claus-Peter Reisch não pode sair de Malta e tem de dormir no navio até à próxima audiência, a 5 de julho

O capitão do navio da ONG alemã Lifeline, Claus-Peter Reisch, que chegou a Malta a 27 de julho, foi libertado esta segunda-feira, sob fiança, depois de ser acusado pelas autoridades locais de irregularidades no registo marítimo.

Durante a audiência de hoje no tribunal de La Valetta foi confirmada a acusação e imposta uma fiança de 10.000 euros, disse à Efe o advogado italiano Daniel Amato, que faz parte da equipa legal da ONG.

Com o pagamento da fiança, o capitão ficou em liberdade, mas não pode deixar a ilha e deve dormir no navio, até à próxima audiência, marcada para 05 de julho.

O Lifeline resgatou das águas 234 migrante e foi autorizado a atracar em Malta após seis dias em alto mar, depois de ser negada autorização por parte de Itália, após um acordo com oito países europeus, aos quais se juntou depois a Noruega, para recolocar os migrantes.

A acusação insiste que o navio, de pavilhão holandês, não consta do registo marítimo da Holanda, o que foi confirmado pelas autoridades holandesas.

Os advogados apresentaram documento segundo os quais o navio está registado como embarcação de recreio, ao que a acusação respondeu que não está, por isso, autorizado a dedicar-se a operações de resgate.

Por agora, o único delito de que está acusado o capitão, de 57 anos, é a irregularidade de registo, mas as autoridades admitem que se venham a juntar mais acusações.

Pediram também ao magistrado que ordenasse a confiscação do navio de salvamento, tendo sido decidido que o Lifeline ficará retido até ao esclarecimento da situação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.