Capa da Time apresenta "Vladimir Trump"

Inspirada no encontro entre Donald Trump e Vladimir Putin, a revista norte-americana mescla a cara dos dois líderes mundiais numa só.

A capa da revista norte-americana Time, divulgada nesta quinta-feira, mistura as imagens do presidente dos EUA, Donald Trump, com o da Rússia, Vladimir Putin, numa referência à reportagem sobre o encontro que ambos protagonizaram na passada segunda-feira, em Helsínquia, Finlândia. Surge assim um Vladimir Trump ou um Donald Putin.

A reportagem, com o título "Trump queria um encontro com Putin. Acabou por receber mais do que estava à espera", aborda o facto de, questionado sobre a suposta interferência russa nas eleições presidenciais de 2016, Trump ter dito que confiava na palavra de Putin, apesar das informações em contrário dos serviços de inteligência dos EUA.

As declarações correram mundo, levantaram polémica, recolheram críticas até do seio do próprio Partido Republicano, e valeram um esclarecimento do presidente norte-americano, que, em conferência de imprensa na Sala Oval, em Washington, deu o dito por não dito e declarou ter-se expressado mal.

Recorde-se que em Helsínquia o chefe do Estado disse: "Eu não vejo alguma razão para que tenha sido a Rússia (...)."

Corrigiu depois, dizendo "aceitar que houve interferência russa" e admitindo que o que queria ter dito na conferência conjunta com Vladimir Putin era: "Eu não vejo alguma razão para que não tenha sido a Rússia." Um não que faz toda a diferença e que levantou um grande "mal-entendido".

A revista afirma que, ao furtar-se a recriminar Putin sobre a suposta atitude russa, Trump furtou-se também a cumprir a sua função de "preservar, proteger e defender" a Constituição.

A publicação analisa os danos causados ao país pelo que chama de "prostração" de Trump diante do rival russo e cobra explicações sobre a "espantosa afinidade" entre eles.

A capa tem autoria de Nancy Burson e foi feita digitalmente por John Depew, com fotos da Getty Images (Trump) e do Kremlin (Putin).

Nancy Burson explicou a ideia da capa à Time: "É suposto representar este momento, em particular, seguindo o encontro em Helsínquia, na Finlândia."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.