Caos nos aeroportos de Londres. Centenas de voos cancelados devido ao mau tempo

Temperaturas negativas obrigaram a fechar pistas devido à neve e gelo. Passageiros dos voos cancelados esperaram horas para recuperar bagagens em Stansted e Luton

As baixas temperaturas no Reino Unido estão a provocar o caos nos aeroportos de Londres. Centenas de passageiros passaram a noite de quarta para quinta-feira nos aeroportos devido aos voos cancelados por causa da neve e do gelo: em Stansted, pelo menos 300 pessoas ficaram em terra, assim como os aviões da easyJet e Ryanair, refere o Telegraph.

Esta quinta-feira, as temperaturas no Reino Unido devem descer até aos dez graus negativos, pelo que não se prevê que a situação melhore, e as autoridades emitiram mesmo um aviso por causa do frio para algumas regiões de Inglaterra, País de Gales, Escócia e Irlanda do Norte.

No aeroporto de Stansted, a pista teve de ser fechada duas vezes, levando ao cancelamento de 27 chegadas e outras 27 partidas. Em Luton, cerca de 50 voos foram igualmente cancelados.

Nas redes sociais, os passageiros que ficaram sem viagem manifestaram a revolta sobretudo pelas horas que demoraram a recuperar a bagagem após o cancelamento dos voos. Centenas de pessoas que não conseguiram regressar a casa receberam camas improvisadas e cobertores para fazer face à espera, mas houve quem se queixasse de falta de comunicação com os responsáveis das companhias aéreas e do aeroporto.

"Centenas de pessoas à espera de bagagem dos voos cancelados. Obrigada por estragarem as nossas férias de fim de ano, Ryanair e aeroporto de Stansted", escreveu no Twitter Sophia Sleigh.

Apesar da distribuição de cobertores e comida para os que não conseguiram sair do aeroporto, houve quem se queixasse de nada ter recebido. Outros viajantes garantem que estavam à espera das malas há oito horas, para apanharem novo voo dali a dez horas. "Falta chocante de comunicação ou apoio do aeroporto e da Ryanair", escreveu Lucy Weyinmi no Twitter.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.