Fecho de canídromo de Macau leva a movimento para salvar galgos

Em 2016, o Governo de Macau deu dois anos ao canídromo da cidade para mudar de localização e melhorar as condições dos cães usados nas corridas ou para encerrar a pista, considerada por organizações internacionais "a pior" do mundo

A Companhia de Corridas de Galgos de Macau vai ter de abandonar o canídromo até dia 20 de julho, anunciaram na quinta-feira as autoridades, que recusaram o pedido da empresa para prolongar o contrato de exploração das corridas.

Em comunicado, a Direção de Inspeção e Coordenação de Jogos (DICJ) considerou que a proposta da concessionária, que na quarta-feira tinha pedido uma extensão de 120 dias do contrato, "mostra-se limitada para o contributo na promoção da economia" de Macau, "em termos de diversificação e desenvolvimento como um centro mundial de turismo e de lazer".

A companhia de corridas de galgos (Yat Yuen) tinha pedido, em 2017, ao Governo de Macau o prolongamento e alteração do mesmo contrato, solicitando autorização para transmitir corridas de galgos realizadas noutras regiões para a Região Administrativa Especial de Macau (RAEM), em vez das corridas de galgos realizadas no território.

"A transmissão das corridas de galgos realizadas noutras regiões para a RAEM, proposta pela Companhia de Galgos, transformaria a natureza lúdica e turística tradicional das corridas de galgos em meras apostas, algo que não se conforma com a estratégia política do Jogo Responsável que o Governo da RAEM promove", sublinhou.

"Aliás, a Companhia de Corridas de Galgos não tem observado as exigências do Governo da RAEM no que diz respeito ao destino e ao bem-estar dos galgos", adiantou.

Proteção dos galgos "tem merecido especial atenção" dos residentes

As autoridades indicaram ainda que a proteção dos galgos "tem merecido especial atenção" dos residentes, ao mesmo tempo que as corridas de cães em outras regiões "têm vindo a ser suspensas" pelo mesmo motivo.

Em 2016, o Governo de Macau deu dois anos ao canídromo da cidade para mudar de localização e melhorar as condições dos cães usados nas corridas ou para encerrar a pista, considerada por organizações internacionais "a pior" do mundo

Por outro lado, a DICJ indicou que a proposta da Yat Yuen "não mereceu incentivo e apoio por parte do Governo", uma vez que representa "uma contradição dos valores de proteção dos animais".

Nesta proposta, a Yat Yuen, pertencente à Sociedade de Turismo e Diversões de Macau (STDM) fundada pelo magnata do jogo Stanley Ho, pediu ainda às autoridades que fosse prolongado o aproveitamento do terreno onde se encontra o atual canídromo, por mais cinco anos, para cuidar dos respetivos galgos.

A 2 de julho, o Governo de Macau exigiu à Companhia de Corridas de Galgos (Yat Yuen) que apresentasse, até à passada terça-feira, um plano de realojamento dos animais não adotados após o fecho do canídromo, no final da próxima semana.

Em 2016, o Governo de Macau deu dois anos ao canídromo da cidade para mudar de localização e melhorar as condições dos cães usados nas corridas ou para encerrar a pista, considerada por organizações internacionais "a pior" do mundo.

"Acho que o governo vai ficar com a bola na mão. Vamos acreditar que nesta fase final vai ter uma boa sugestão", diz a Anima

No ano passado, a Sociedade Protetora dos Animais de Macau (Anima) lançou uma petição internacional para conseguir que cerca de 650 galgos do canídromo fossem adotados. Desde então, 50 instituições internacionais manifestaram-se, garantindo apoiar no plano de resgate ou comprometendo-se a encontrar casas adequadas para os cães.

A Anima está a resgatar galgos do canídromo de Macau que foram abandonados pelos seus adoptantes. À Teledifusão de Macau, o presidente da Anima, Albano Martins disse estar a receber pedidos de ajuda de donos de cães e defende que o executivo deve arranjar uma solução para os galgos. "O canidromo não tem hipóteses de tirar os animais de lá" a poucos dias do final da concessão, afirmou. "Acho que o governo vai ficar com a bola na mão. Vamos acreditar que o governo vai ter nesta fase final uma boa sugestão".

De acordo com a TDM, as soluções que têm sido falada passa pela entrega do Canídromo à Anima durante um ano ou que a gestão do espaço fique a cargo do Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais (IACM) com o apoio de associações de animais, sendo que tudo seria com encargos da Yat Yuen.

A Anima tem contado com o apoio de veterinários australianos, habituados a lidar com galgos, e lojas de animais tem oferecido descontos no tratamento deste animais.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.