Tribunal veta candidatura de Lula

Seis de sete juízes decidiram-se pela ineligibilidade do antigo presidente nas eleições de 7 de outubro. Fernando Haddad vai ocupar vaga

Lula da Silva, do PT, não vai ser candidato às eleições do Brasil de 7 de outubro, decidiu a maioria dos sete juízes (foram seis) que integram o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O argumento de que, por ter sido condenado a 12 anos e um mês de prisão em segunda instância, é inelegível ao abrigo da Lei da Ficha Limpa prevaleceu sobre a determinação recente do Comité de Direitos Humanos da ONU, que recomendou que o antigo presidente brasileiro concorresse.

Os juízes, por iniciativa do relator do caso Luiz Roberto Barroso, proibiram ainda a presença de Lula em atos de campanha e deram 10 dias ao PT, o seu partido, para apresentar um candidato alternativo. Esse candidato será Fernando Haddad, o ex-prefeito da cidade de São Paulo, que teve o seu registo eleitoral aprovado pelos mesmos juízes que vetaram Lula. A defesa do antigo presidente pode ainda recorrer ao Supremo Tribunal de Justiça ou a Supremo Tribunal Federal.

O TSE resolveu incluir na agenda do dia, surpreendentemente, a análise do registo de candidatura de Lula à presidência do Brasil. Barroso justificou a decisão em nome "da segurança jurídica e política" e de forma a que no momento em que o tempo de antena televisivo comece - este sábado - o eleitor já saiba se, afinal, o antigo presidente pode concorrer ou não.

"Se eu pudesse, evitar a situação em que estou", começou por dizer o relator ao abrir o seu relatório, "certamente evitaria". "Não tenho qualquer preferência na vida que não seja o bem do Brasil, nem pessoais, nem políticos, nem ideológicos, a minha única preocupação é a defesa das instituições". Depois de Barroso, votou Luiz Edson Fachin, o único juiz favorável à manutenção de Lula da campanha.

A defesa de Lula, através dos advogados Luiz Carlos Pereira e Cláudia Bucchianeri, reclamou da pressa do tribunal e enumerou alguns dos "milhares de casos" em que candidatos na mesma situação de Lula - condenados em segunda instância - puderam concorrer a eleições. Lembrou ainda a decisão do Comité da ONU: "Não é uma prerrogativa do atual governo brasileiro, de qualquer governo, mas sim do estado brasileiro, que foi quem a assinou", reforçou.

Antes, falaram a procuradora-geral da República e advogados de duas das 16 pessoas ou entidades que requereram a ineligibilidade de Lula. O argumento mais ouvido foi o que a Lei da Ficha Limpa, aprovada na presidência de Lula, prevê a ineligibilidade de condenados em segunda instância por órgão colegiado, como é o caso.

Lula foi condenado em Janeiro deste ano em segunda instância a 12 anos e um mês de prisão por três juízes de um tribunal de segunda instância, que agravaram a pena dada pelo juiz Sergio Moro, em primeira instância. Em causa, segundo o veredicto, a posse de um apartamento tríplex no Guarujá, estância balnear a 100 quilómetros de São Paulo, oferecido ao antigo presidente em troca de favorecimento em negócios com a estatal petrolífera Petrobrás.

Entretanto, Lula vem liderando com larga margem todas as sondagens em que o seu nome é colocado, com quase o dobro dos votos de Jair Bolsonaro (PSL), o segundo nas pesquisas de opinião. Já Haddad, o seu candidato a "vice" e eventual substituto como cabeça de lista, está no meio do pelotão de candidatos, com cerca de um sétimo dos votos atribuídos a Lula.

Notícia atualizada às 9:00, com o números atualizados da maioria de juízes do TSE a decidirem. Foram seis em sete.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.