Tribunal veta candidatura de Lula

Seis de sete juízes decidiram-se pela ineligibilidade do antigo presidente nas eleições de 7 de outubro. Fernando Haddad vai ocupar vaga

Lula da Silva, do PT, não vai ser candidato às eleições do Brasil de 7 de outubro, decidiu a maioria dos sete juízes (foram seis) que integram o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O argumento de que, por ter sido condenado a 12 anos e um mês de prisão em segunda instância, é inelegível ao abrigo da Lei da Ficha Limpa prevaleceu sobre a determinação recente do Comité de Direitos Humanos da ONU, que recomendou que o antigo presidente brasileiro concorresse.

Os juízes, por iniciativa do relator do caso Luiz Roberto Barroso, proibiram ainda a presença de Lula em atos de campanha e deram 10 dias ao PT, o seu partido, para apresentar um candidato alternativo. Esse candidato será Fernando Haddad, o ex-prefeito da cidade de São Paulo, que teve o seu registo eleitoral aprovado pelos mesmos juízes que vetaram Lula. A defesa do antigo presidente pode ainda recorrer ao Supremo Tribunal de Justiça ou a Supremo Tribunal Federal.

O TSE resolveu incluir na agenda do dia, surpreendentemente, a análise do registo de candidatura de Lula à presidência do Brasil. Barroso justificou a decisão em nome "da segurança jurídica e política" e de forma a que no momento em que o tempo de antena televisivo comece - este sábado - o eleitor já saiba se, afinal, o antigo presidente pode concorrer ou não.

"Se eu pudesse, evitar a situação em que estou", começou por dizer o relator ao abrir o seu relatório, "certamente evitaria". "Não tenho qualquer preferência na vida que não seja o bem do Brasil, nem pessoais, nem políticos, nem ideológicos, a minha única preocupação é a defesa das instituições". Depois de Barroso, votou Luiz Edson Fachin, o único juiz favorável à manutenção de Lula da campanha.

A defesa de Lula, através dos advogados Luiz Carlos Pereira e Cláudia Bucchianeri, reclamou da pressa do tribunal e enumerou alguns dos "milhares de casos" em que candidatos na mesma situação de Lula - condenados em segunda instância - puderam concorrer a eleições. Lembrou ainda a decisão do Comité da ONU: "Não é uma prerrogativa do atual governo brasileiro, de qualquer governo, mas sim do estado brasileiro, que foi quem a assinou", reforçou.

Antes, falaram a procuradora-geral da República e advogados de duas das 16 pessoas ou entidades que requereram a ineligibilidade de Lula. O argumento mais ouvido foi o que a Lei da Ficha Limpa, aprovada na presidência de Lula, prevê a ineligibilidade de condenados em segunda instância por órgão colegiado, como é o caso.

Lula foi condenado em Janeiro deste ano em segunda instância a 12 anos e um mês de prisão por três juízes de um tribunal de segunda instância, que agravaram a pena dada pelo juiz Sergio Moro, em primeira instância. Em causa, segundo o veredicto, a posse de um apartamento tríplex no Guarujá, estância balnear a 100 quilómetros de São Paulo, oferecido ao antigo presidente em troca de favorecimento em negócios com a estatal petrolífera Petrobrás.

Entretanto, Lula vem liderando com larga margem todas as sondagens em que o seu nome é colocado, com quase o dobro dos votos de Jair Bolsonaro (PSL), o segundo nas pesquisas de opinião. Já Haddad, o seu candidato a "vice" e eventual substituto como cabeça de lista, está no meio do pelotão de candidatos, com cerca de um sétimo dos votos atribuídos a Lula.

Notícia atualizada às 9:00, com o números atualizados da maioria de juízes do TSE a decidirem. Foram seis em sete.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.