Candidato presidencial Jair Bolsonaro vai ser julgado pelo crime de racismo

De acordo a Procuradoria-Geral da República, o candidato à presidência do Brasil referiu que os descendentes de escravos negros do Brasil "não fazem nada e são inúteis, nem mesmo procriam"

O deputado Jair Bolsonaro, que aparece em segundo lugar nas sondagens de intenção de voto das eleições do Brasil, deverá ser julgado na próxima semana num processo em que é acusado do crime de racismo.

O juiz Marco Aurélio de Mello do Supremo Tribunal Federal (STF) aceitou um pedido para antecipar o julgamento, na sequência de uma petição dos advogados de defesa de Bolsonaro e marcou a sessão para 28 de agosto.

Em causa está uma conferência realizada pelo candidato no Clube Hebraica, no Rio de Janeiro, em abril de 2017 em que, perante uma audiência de 300 pessoas, Bolsonaro supostamente teria usado expressões de natureza discriminatória contra negros quilombolas.

Os negros quilombolas são os descendentes de escravos negros que fugiram antes da abolição e vivem em pequenas comunidades rurais do interior do país, em áreas demarcadas.

O processo contra o candidato foi aberto a pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) em abril.

Se for condenado, Bolsonaro poderá cumprir pena de prisão de um a três anos e terá de pagar no mínimo 400 mil reais (cerca de 95 mil euros) por danos morais coletivos

Na denúncia, a PGR reproduziu vários excertos do discurso de Bolsonaro no Clube Hebraica, em que o candidato à Presidência do Brasil referiu que os descendentes de escravos negros do Brasil "não fazem nada e são inúteis, nem mesmo procriam".

Se for condenado, Bolsonaro poderá cumprir pena de prisão de um a três anos e terá de pagar no mínimo 400 mil reais (cerca de 95 mil euros) por danos morais coletivos.

"Ataque infundado, cujo objetivo é gerar informações sensacionalistas para denegrir a imagem de quem, de facto, é o maior fenómeno da política do Brasil nos últimos anos", afirmou a defesa de Bolsonaro

Aquando da acusação, assessores de Bolsonaro asseguraram que a ação da PGR contra ele era "infundada".

"Ataque infundado, cujo objetivo é gerar informações sensacionalistas para denegrir a imagem de quem, de facto, é o maior fenómeno da política do Brasil nos últimos anos", disseram em comunicado.

No processo, os advogados do candidato também alegaram que a denúncia era "oportunista" pois Bolsonaro aparece em segundo lugar ou lidera as sondagens de intenção de voto para as presidenciais no cenário em que a candidatura do ex-Presidente Lula da Silva é rejeitada por imposição legal.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."