Candidato presidencial Jair Bolsonaro vai ser julgado pelo crime de racismo

De acordo a Procuradoria-Geral da República, o candidato à presidência do Brasil referiu que os descendentes de escravos negros do Brasil "não fazem nada e são inúteis, nem mesmo procriam"

O deputado Jair Bolsonaro, que aparece em segundo lugar nas sondagens de intenção de voto das eleições do Brasil, deverá ser julgado na próxima semana num processo em que é acusado do crime de racismo.

O juiz Marco Aurélio de Mello do Supremo Tribunal Federal (STF) aceitou um pedido para antecipar o julgamento, na sequência de uma petição dos advogados de defesa de Bolsonaro e marcou a sessão para 28 de agosto.

Em causa está uma conferência realizada pelo candidato no Clube Hebraica, no Rio de Janeiro, em abril de 2017 em que, perante uma audiência de 300 pessoas, Bolsonaro supostamente teria usado expressões de natureza discriminatória contra negros quilombolas.

Os negros quilombolas são os descendentes de escravos negros que fugiram antes da abolição e vivem em pequenas comunidades rurais do interior do país, em áreas demarcadas.

O processo contra o candidato foi aberto a pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) em abril.

Se for condenado, Bolsonaro poderá cumprir pena de prisão de um a três anos e terá de pagar no mínimo 400 mil reais (cerca de 95 mil euros) por danos morais coletivos

Na denúncia, a PGR reproduziu vários excertos do discurso de Bolsonaro no Clube Hebraica, em que o candidato à Presidência do Brasil referiu que os descendentes de escravos negros do Brasil "não fazem nada e são inúteis, nem mesmo procriam".

Se for condenado, Bolsonaro poderá cumprir pena de prisão de um a três anos e terá de pagar no mínimo 400 mil reais (cerca de 95 mil euros) por danos morais coletivos.

"Ataque infundado, cujo objetivo é gerar informações sensacionalistas para denegrir a imagem de quem, de facto, é o maior fenómeno da política do Brasil nos últimos anos", afirmou a defesa de Bolsonaro

Aquando da acusação, assessores de Bolsonaro asseguraram que a ação da PGR contra ele era "infundada".

"Ataque infundado, cujo objetivo é gerar informações sensacionalistas para denegrir a imagem de quem, de facto, é o maior fenómeno da política do Brasil nos últimos anos", disseram em comunicado.

No processo, os advogados do candidato também alegaram que a denúncia era "oportunista" pois Bolsonaro aparece em segundo lugar ou lidera as sondagens de intenção de voto para as presidenciais no cenário em que a candidatura do ex-Presidente Lula da Silva é rejeitada por imposição legal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.