Canadiano acusado de matar curandeira linchado na Amazónia

Polícia foi alertada para crime depois de vídeo de linchamento aparecer nas redes sociais

Um homem canadiano foi linchado na Amazónia, no Peru, depois de ter sido acusado de matar uma mulher peruana de 81 anos, xamã de uma pequena comunidade, disse este domingo um porta-voz do gabinete do procurador-geral peruano.

Olivia Arevalo, uma curandeira da tribo Shipibo-Conibo, foi baleada na quinta-feira perto de casa na região de Ucayali, na Amazónia, informou o procurador Ricardo Palma Jimenez.

Alguns aldeões terão culpado Sebastian Paul Woodroffe, um canadiano de 41 anos que vivia na região, pela morte da mulher, acrescentou Jimenez.

A polícia encontrou o corpo de Woodroffe enterrado a cerca de 1 km da casa de Arevalo no sábado, depois de ser alertada para um vídeo do linchamento, que foi partilhado nas redes sociais na sexta-feira.

O vídeo mostra um homem numa poça enquanto outro coloca uma corda em volta do seu pescoço e o arrasta, no meio de outras pessoas.

Jimenez disse que as autoridades estão a investigar várias pistas relacionadas com a morte de Arevalo e que é muito cedo para apontar suspeitos no caso. Ninguém foi detido por nenhuma das mortes, acrescentou.

"Não vamos descansar até que os dois assassinatos, tanto da mulher indígena quanto do homem canadiano, sejam resolvidos", disse Jimenez em entrevista por telefone à Reuters.

O assassinato de Arevalo causou indignação no Peru após outros homicídios não resolvidos de ativistas indígenas que tinham sido ameaçados de morte repetidamente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.