Canadá vai aumentar imposto sobre uísque norte-americano

A partir deste domingo há uma lista de produtos norte-americanos que vai pagar impostos mais altos para entrar no Canadá

O Canadá anunciou nesta sexta-feira a imposição de taxas alfandegárias sobre importações dos Estados Unidos, em retaliação aos impostos de Washington sobre o aço e o alumínio canadianos. As novas taxas, que entrarão em vigor este domingo (1 de julho), sobre as exportações provenientes dos Estados Unidos representam 16,6 mil milhões de dólares canadianos (10,8 mil milhões de euros).

Otava "não tinha outra escolha senão anunciar medidas recíprocas em resposta às taxas alfandegárias que os Estados Unidos impuseram sobre o aço e o alumínio desde 1 de junho de 2018", sublinhou o primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, numa conversa telefónica com o Presidente norte-americano, Donald Trump, na sexta-feira, de acordo com o gabinete do chefe de Governo do Canadá. "Os dois dirigentes concordaram em manter uma estreita comunicação futura", notou o Governo canadiano.

Além do aço e do alumínio norte-americanos, são visadas as importações de uísque, ketchup, sumo de laranja, barcos à vela e com motor, ou ainda cortadores de relva.

Estes produtos "podem ser facilmente substituídos por produtos canadianos ou provenientes de outros países", sublinhou na sexta-feira a ministra dos Negócios Estrangeiros canadiana, Chrystia Freeland, numa conferência de imprensa.

Estes novos impostos canadianos vão de 10% a 25%, ou seja, tanto como as taxas impostas pela administração Trump sobre o alumínio e o aço canadianos, respetivamente.

A lista dos produtos norte-americanos visados foi pensada para dar uma resposta "perfeitamente recíproca" aos direitos alfandegários dos Estados Unidos, acrescentou Freeland.

A ministra garantiu ainda que o Canadá "não fará escalar a situação", mas "não vai recuar".

Durante os últimos meses, Donald Trump desencadeou um conflito comercial ao impor unilateralmente direitos alfandegários sobre produtos canadianos, europeus e chineses, por considerar o comércio internacional desequilibrado e desfavorável aos Estados Unidos.

Na terça-feira, Chrystia Freeland reuniu-se, em Bruxelas, com os homólogos europeus para coordenar as represálias comerciais do Canadá com as da UE, que recentemente ripostou com direitos aduaneiros sobre produtos emblemáticos como motorizadas, uísque e calças de ganga.

O Governo canadiano vai ainda prestar uma ajuda de até dois mil milhões de dólares às empresas e trabalhadores das indústrias do aço e do alumínio atingidas pelas taxas alfandegárias norte-americanas durante dois anos.

Este programa de subsídios inclui também fundos para apoiar a conquista de novos mercados de exportação, no âmbito dos acordos comerciais internacionais assinados pelo Canadá, como o acordo de livre comércio com a UE.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?