Canábis, leis eleitorais e dez mandamentos. Norte-americanos votaram 155 referendos

Eleitores de 37 estados norte-americanos foram chamados também a votar sobre assuntos a nível estadual. Só na Florida os eleitores decidiram sobre 12 questões, entre o direito de voto de ex-reclusos à proibição de cigarros eletrónicos em espaços fechados ou à autorização de casinos.

Os norte-americanos votaram a favor de uma série de medidas que estão nos antípodas do programa de Donald Trump, ou do ideário conservador, até em estados que votaram nos republicanos (Florida, por exemplo). À viragem, ou ao aprofundar progressista em vários estados, outros reafirmaram o seu conservadorismo. No Alabama, por exemplo, os dez mandamentos podem agora estar afixados em propriedade estatal, inclusive nas escolas. Assim decidiram os eleitores daquele estado do sul, com 70% de votos favoráveis. Também aprovaram uma emenda sobre a "santidade da vida não nascida" e que a constituição estatal em ponto algum "garante o direito ao aborto".

No Ohio, surpreendeu a reprovação do referendo que retirava peso jurídico aos cidadãos por posse e uso de drogas. No Dakota do Norte também foi reprovada a retirada da canábis dos produtos proibidos.

Em sentido inverso, o Missouri, o Oklahoma e o Utah aprovaram o uso de canábis para uso medicinal.

Dez estados com marijuana livre

Já o Michigan tornou-se no décimo estado a autorizar a canábis para uso recreativo. São agora 80 milhões de norte-americanos que o podem fazer, juntando-se aos compatriotas do Alasca, Califórnia, Colorado, Maine, Massachusetts, Nevada, Oregon, Vermont e Washington (nestes últimos dois a venda é proibida). O Michigan é o primeiro estado da região centro-oeste do paísa legalizar o consumo para fins recreativos. O vizinho do norte, o Canadá, já o tinha feito em meados de outubro.

A maior parte das medidas levadas a votos estavam relacionadas com as práticas eleitorais: registo automático de eleitores, criação de comissões independentes para a redistribuição eleitoral, o financiamento eleitoral, o direito ao voto. Uma das mais significativas foi a votos na Florida. Os eleitores aprovaram a restituição do direito de voto aos cidadãos condenados e que já cumpriram pena. Esta medida tem um impacto em 1,5 milhões de pessoas, e tendo em conta o número, pode ter consequências nas próximas eleições presidenciais.

Cigarros e perfurações na mesma pergunta

Na Florida foi a votos uma pergunta que a Vox considera a "iniciativa eleitoral mais estranha": no mesmo boletim dedicado ao ambiente, o eleitor era chamado a aprovar ou reprovar o fumo de cigarros eletrónicos em recintos fechados de trabalho e as perfurações costeiras para exploração de gás e petróleo. A proibição ganhou com 60% de votos.

O direito aos cuidados de saúde também foi a votos. No Idaho, Nebraska, Utah e Oregon aprovaram alargaram os cuidados de saúde a reformados e pessoas com rendimentos mais baixos. Já a proposta levada a votos em Montana, que incluía um imposto no tabaco para financiar o Medicaid foi reprovado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.